The Only Exception
Sábado, 11 de Junho de 2011

capítulo 9. ♥

eita lélé, quase um mês sem postar, que degredo ! pronto, teletubbie linda, já não é necessário mortes. (a)

levantei-me do seu colo, o que fez com que ele prendesse os seus olhos em mim. estendi a mão, e aí ele percebeu qual a minha real intenção. agarrou-a e impulsionou o corpo, para conseguir levantar esse mesmo, do sofá. entre olhares no mínimo sérios e cúmplices, subimos as escadas que nos levava até ao meu quarto. mal entramos, tranquei a porta. não queria correr o risco de a petra entrar a qualquer altura, ou até mesmo o dudu. comecei por tirar a camisola, tudo sobre o seu olhar atento. parecia que o seu olhar via mais que um rosto, e um corpo. via-me como eu realmente era, e não o que eu deixava que vissem.

eu: está calor, não está ? - provoquei.

ele: muito - mordeu o lábio inferior.

eu: e que tal um banho ?

ele: acho uma óptima ideia. 

fiz-lhe sinal com os braços, para lhe indicar o caminho até ao meu quarto de banho. foi ao seu encontro, enquanto era seguido por mim. quando entramos, não pude deixar de reparar no quanto o seu corpo apelava pelo meu, os seus olhos demonstravam exactamente isso. encarreguei-me logo de ligar a torneira e deixar a brotar água, para que ficasse no ponto certo. ele nada dizia, apenas me mirava, fazendo-me ficar com as pernas bambas, maldito efeito !

caminhou até mim, acabando por fazer com que o meu corpo chocasse contra o lavatório, acariciou-me o rosto, o que fez com que eu instintivamente fechasse os olhos.

ele: és linda.

não consegui deixar de sorrir com esse comentário. senti a sua respiração cada vez mais próxima, até que ele decidiu colar os seus lábio aos meus, dando depois origem a um beijo mais desenvolvido, e decerto modo sôfrego. agarrou-me a cintura, e com um impulso colocou o meu corpo sobre o lavatório, de pernas abertas e ele no meio delas. 

cada vez mais aquela casa de banho, começava a ficar quente. tratei logo de lhe retirar a t-shirt que ele trazia vestida, mandando-a para um sitio que no momento não me foi permitido ver, devido a ele me ter feito fechar instintivamente os olhos, quando me beijou. ele aproveitou o lanço e retirou as sapatilhas e logo de seguida as calças, com a ajuda das minhas pernas e pés.

a sua boca dedicou-se inteiramente ao meu pescoço e logo de seguida ao meu peito, que até o momento encontrava-se tapado somente por um soutien branco. com as mãos - de uma forma desajeitada - retirou-me os calções, e começou então com uma mão a acariciar-me a perna. estava totalmente arrepiada, e ao mesmo tempo desejava que aquilo não acabasse nunca.

sem mais demoras, retirou o meu soutien, deixando então o meu peito totalmente desprotegido. atacando-o logo de seguida com a boca. enquanto o meu peito era vitima da sua boca, o seu pescoço era vitima da minha e as suas costas, das minhas unhas. eu queria-o, de uma forma que nunca quis homem algum. e sentia que se passava o mesmo com ele. quando ele se preparava para retirar o resto do tecido que ainda tapava alguma parte do meu corpo, eu impedi-o com a mão.

eu: aqui não - mordi o lábio e saí de cima do lavatório.

ele olhou para mim com uma cara de 'explica-me, que eu estou a ficar perdido'. caminhei sobre o seu olhar atento, até à banheira. pude perceber que a água já estava quente, sem ser necessário tocar nela. decidi então abrir a torneira da água fria, para a deixar à uma temperatura perfeita.

depois de estar tudo pronto para podermos entrar, olhei para ele e sorri-lhe. retirei eu mesma os boxers, um pouco acanhada, como é óbvio. e então entrei na banheira, sem demora alguma entrou ele, e já sem nada vestido. estávamos agora, como sempre estivemos um para o outro: sem qualquer coisa a esconder. mesmo já tendo passado por isto com o thomas, sentia-me como se fosse a minha primeira vez. como se fosse uma rapariga inexperiente nesta área. qualquer tipo de espaço que existia entre nós, foi quebrado assim que ele imprensou o meu corpo contra os azulejos brancos e frios, daquela parede. ficando assim, ele por debaixo do chuveiro. olhou-me mesmo no fundo dos olhos, e com um suspiro disse-me:

ele: és a mulher da minha vida. não só em termos de relação amorosa, como de amizade - acariciou-me o rosto - no fundo, és o que sempre precisei. não digo 'procurei', porque jamais me passaria pela cabeça que era ao lado de uma pessoa como tu, que me sentiria eu mesmo.

eu: ao lado de uma pessoa como eu ? - depositei um beijo na palma da sua mão.

ele: sim, és perfeita demais para ser imaginada. nunca me senti tão impaciente para poder estar com alguém, nunca ninguém fez com que sentisse o que sinto por ti, nunca mesmo.

eu: tu és como a música e eu como a dança - sorri - juntos somos perfeitos, separados não temos o mesmo valor.

após a minha observação, ele atacou os meus lábios. se em algum momento eu tive duvidas dos seus pensamentos, neste tinham desaparecido todas elas. 

sem qualquer pressa, ele elevou o meu corpo, até ele se encaixar no seu. de pernas presas nas suas costas, pude senti-lo. em movimento sincronizados, fizemos uma coreografia só nossa. as minhas unhas espetavam-lhe as costas, não só como demonstração de desejo, mas também como um certo medo de me desequilibrar. mas uma vez mais, ele demonstrou-me que isso jamais iria acontecer. agarrava-me na anca com uma mão e a outra, ocupava-se da minha perna. pela primeira vez ao longo dos nossos 7 meses ele disse-me um 'amo-te', sem conseguir resistir cheguei ao meu auge, sendo seguida por ele.

(...)

acordei com o meu telemóvel a tocar, era uma mensagem da joyce. mas antes de a ler, pude repara que já passavam das 2h da manhã.

mesagem: "acabei de ver o colín, e adivinha ? ele sorriu-me e piscou-me o olho. estou tão contente, nem imaginas. e o melhor ? ele não estava com a irmã, ups, queria dizer: namorada. bem, vou continuar a aproveitar esta noite e garanto-te que se o voltar a ver, ele não me escapa. ;)

dorme bem, love you bitch. @"

era tão amorosa e recatada, que até chegava a doer. ou a fay acordava, ou então iria ser votada para trás das costas.

resposta: "cuidado, não te ponhas em problemas que ele é comprometido. aproveita a noite, e vê se não apanhas mais uma das tuas bebedeiras habituais, que eu desta vez não te vou buscar à discoteca. xp

vou tentar dormir, visto que uma loira assanhada me acordou. love you, pig !"

mal recebi o relatório de entrega, senti os braços do kevin a cercarem o meu corpo, virei-me para ele e pude reparar que ainda dormia. como é que eu consegui ter arranjado algo tão bom como ele ? ele era exactamente o que sempre achei impossivel de existir. mas afinal existia e era inteiramente meu

aproximei mais o meu corpo do dele, aconchegando-me mais nos seus braços. com a cabeça encostada no seu tronco, inspirei e senti o seu doce cheiro, aí sim ... senti-me totalmente segura por ele, por o meu namorado.

 

continua ...

publicado por p;αndяαde. ॐ às 04:32
| comentar.
24 pintinhos piu:
De agnes hope a 11 de Junho de 2011 às 14:01
oh meu Deeeeeus, amo!
juro que amo esta fic. escreves tão bem p *.*
De maggie. a 11 de Junho de 2011 às 14:45
quem me dera um namorado como ele , ai *o*
adorei, mais.
De carolina lewis a 11 de Junho de 2011 às 17:27
valeu bem a espera, está tão lindo!
beijinho.
De agnes hope a 11 de Junho de 2011 às 18:41
de nada, sweetheart <3
De agnes hope a 11 de Junho de 2011 às 21:33
No, i'm not.
Anseio pelo próximo capítulo, sugar *.*
De a a 11 de Junho de 2011 às 22:02
aii mãe! valeu a pena a espera *-*
De agnes hope a 11 de Junho de 2011 às 23:52
até lá vou viver em tédio ;__;
tu escreves fics tão lindas, sugar.
De agnes hope a 12 de Junho de 2011 às 02:31
não não há, a tua é a melhor :c
estou? :$
De Isabella a 12 de Junho de 2011 às 14:55
Adorei como sempre*-*
Beijinho
De agnes hope a 12 de Junho de 2011 às 17:25
eu não acho que haja :c

comentar.