The Only Exception
Domingo, 1 de Maio de 2011

capítulo 7. ♥

para esclarecer qualquer dúvida: o piercing que o kevin tem, é na língua.

só postei porque a cabra da yellewanne, quase me bateu ontem -.- portanto qualquer reclamação: é faze-la a ela !

acordei com o telemóvel a tocar, era a joyce. só podia, mais ninguém se lembraria de acordar um pessoa às 10h, em pleno fim-de-semana. ninguém, em excepção da joyce, claro.

eu: quié ?

joyce: sim, estou óptima. acordei muito bem e também já comi, obrigado por perguntares. - disse num tom super irónico.

eu: olha que bom para ti, ao menos uma de nós está bem. - disse enterrando a cabeça por baixo da almofada.

odiava que me acordassem, ficava sempre de mau humor. mas de mau humor mesmo, pior que a minha mãe quando a tratam por senhora.

joyce: credo ! nunca mais vais ao cinema !

eu: o problema não é o cinema, és tu ! - levantei-me - o quê que foi ?

joyce: o philip acabou com a brianna e ela está a chorar prantos.

eu: quem é o philip ? - perguntei enquanto observava a minha imagem decadente, no espelho.

joyce: o namorado dela, ou melhor: o ex-namorado.

eu: aah, e eles namoravam à quanto tempo ?

joyce: duas semanas - fez uma pausa - mas isso interessa para quê ?! a tua prima está mal, hello ?

eu: está bem joyce, deixa-me só arranjar que já vou aí ter.

joyce: não te demores, se não eu vou der em doida com tanto chocolate que há neste quarto.

eu: joyce ? - chamei.

joyce: diz.

eu: promete-me que não tocas nos chocolates.

joyce: brenda ...

eu: promete-me joyce !

joyce: está bem, eu prometo. mas vem rápido.

pior que a crise da brianna, seria a crise da joyce se os comesse. podia não ligar muito a dietas, mas quando envolvia chocolates a rapariga ficava possessa e pior ainda: durante uma semana ficaria com a mania das dietas, e não há nada pior que uma joyce viciada em dietas, posso-vos garantir.

eu: está bem, já vou. até já.

joyce: liebe dich.

eu: ich habe auch.

sim, a joyce era alemã. daí os seus cabelos extremamente loiros. ela já vivia cá a alguns anos, mas não deixava de lado o seu tão adorado alemão.

fui tomar banho, e arranjei-me. não podia voltar a deitar-me tarde, porque as consequências ficavam todas na minha cara. tratei de deixar o cabelo ao natural: aos cachos. não tinha tempo para o estar a alisar. quando desci, fui recebida com um dos maravilhosos sorrisos da petra, que estava a limpar a sala.

petra: olá menina. - disse com o seu sotaque.

a petra era a mãe da joyce, como se pode concluir também é alemã. mas enquanto o sotaque da joyce quase não se notava, o da petra era inconfundível. ela não se tinha adaptado tão bem à nossa lingua, dizia que era muito complicado. mas mesmo assim era fácil de comunicar com ela. eu e o meu irmão optávamos pelo português, já os meus pais falavam em alemão sem qualquer tipo de problema, o que a ajudava muito.

eu: olá petra - dei-lhe um beijo na bochecha direita - o meu irmão ?

petra: o seu irmão saiu com a namorada.

eu: já a conheces ?

petra: sim, é um amor de pessoa - sorriu-me - mas a sua mãezinha não gosta muito dela.

eu: porquê ?

petra: falta de dinheiro.

lá estava a minha mãe com o preconceito. acho que a única pessoa que era de um estatuto diferente do meu e que a minha mãe me deixava andar, e até gostava muito dela, era a joyce.

eu: estupidez - revirei os olhos - bem petra, eu vou indo.

petra: e a menina não come nada ?

eu: não te preocupes, que eu vou a casa da brianna e já sabes como é a minha tia elissa, está sempre a querer que eu saia a rebolar lá de casa.

ri-me e a petra saudou-me também com o seu riso melodioso. dei-lhe mais um beijo e saí de casa, iria agora ter com os problemas.

...

mal cheguei fui logo puxada pela joyce para o quarto da brianna. sim, aquele era o tipo de quartos que a minha mãe se orgulhava de eu ter, problema fundamental: era demasiado pipi para mim !

ela estava na cama a chorar, o pijama estava todo molhado, assim como a cama. prendia o cabelo num puxo e tinha a cara vermelha. a seu lado estavam para aí umas cinco caixas de bombons e sem falar no resto que estava espalhado pela divisão do quarto, pude calcular que tinha sido uma noite bem longa. era sempre o típico cenário de quando alguém acabava com ela.

caminhei até ela, subi os dois degraus que me levavam até à cama e sentei-me a seu lado, a joyce sentou-se no cadeirão e ficou a olhar para nós. eu acho que o dramatismo já era de família, é que só podia mesmo. fiz-lhe uma festa na cara e ela olhou para mim, a sua cara estava pior do que eu pensava.

eu: então ?

brianna: ele deixou-me - fungou - eu gostava mesmo dele.

eu: e acabou porquê ?

brianna: porque ... porque ... porque ... disse que não queria nada sério. - desatou ainda mais a chorar.

encostei-a a mim e aí é que ela chorou mais. a joyce mirava-a com pena, pois ela sabia o que isso era. ambas passavam por isso quando começavam algum relacionamento. o problema delas é que se entregavam demasiado.

eu: vais ver que vais encontrar alguém mais decente que esse philip.

brianna: não quero ninguém para além dele. - falou alto.

eu: não podemos ficar sempre com a mesma pessoa, sabes bem disso. - fiz-lhe festas na cabeça.

brianna: mas porquê que toda a gente tem direito a ser amada e eu não ?

eu: tu também tens esse direito.

brianna: então porquê que não sou ?

eu: tu és amada - olhei par a joyce - tu não a amas ?

joyce: claro que sim - chegou perto de nós - é claro que eu te amo, liebe.

brianna: óh, não é esse amor !

eu: bri, sabes bem que não há nada mais importante que a amizade.

ela endireitou o corpo, afastando-se de mim. suspirou e por fim disse num tom muito baixo:

brianna: tu dizes isso porque tens um namorado lindo, que gosta imenso de ti.

sim, era verdade. desde aquele fim-de-semana em casa dele, à 3 meses atrás, nós estávamos melhor que nunca.

eu: e antes dele ? esqueceste-te do thomas ? que eu fui traída ? que o encontrei enrolado com a nancy no dia em que fazíamos três anos ? bri, não há nada que me possas garantir que é para sempre. porque 'sempre', é uma palavra com um enorme significado. por mais que acreditemos nele, nunca se realiza. lembras-te do que me disseste quando eu estava mal por causa do thomas ?

joyce: « se ele te deixou, foi porque percebeu que não tinha capacidade suficiente para fazer alguém como tu, feliz. »

eu: exacto.

brianna: tens razão - sorriu e limpou as lágrimas - ele não me merece. e nem era assim tão bom !

mais rápido que os seus namoros, eram as suas fases sofridas. punha-se logo pronta para outra. levantou-se da cama num salto e foi a saltitar até ao quarto de banho. eu e a joyce olhámos uma para a outra e rimos-nos, só mesmo a brianna para reagir assim. pude reparar que a joyce vestia o conjunto que a minha mãe lhe tinha dado nos anos. combinava imensamente bem com ela, não era a toa que a minha mãe era considerada uma das mulheres mais bem vestidas. enquanto conversávamos, a brianna chegou radiante, parecia que nada se tinha passado e que estava maravilhosamente bem. trazia vestido uma roupa que lhe realçava imensamente o corpo, tinha o cabelo preso num puxo, permitindo que os seus longos cabelos loiros e ondulados caíssem pelas costas. na frente, trazia uma espécie de fita de duas tiras, da mesma cor dos sapatos. sim, ela era definitivamente o tipo de raparigas muito patricinhas em termos de roupa, era o que fazia a minha mãe querer que eu me desse tanto com ela. objectivo falhado, jamais vestiria esse tipo de roupas.

brianna: tenho fome. - lamentou-se.

joyce: passaste a maior parte da manhã a comer chocolates, e para não falar da noite e tens fome ? - perguntou surpreendida.

brianna: sim  ! - riu-se.

saimos de casa e decidimos que íamos à esplanada que ficava perto da academia. quando saímos do seu apartamento, quando estávamos a sair do prédio, pude perceber que um rapaz olhava para ela, mas pela primeira vez na vida reparei que a brianna lhe virou a cara ! o rapaz nem era feio de todo, e se bem eu me lembrava fazia o seu tipo. ele não parava de olhar para ela, como se ela fosse algo irreal, como se nunca o pudesse alcançar. quando já estávamos a caminho, não aguentei e comentei isso.

eu: óh bri, então não reparas-te no rapaz que estava a olhar para ti na portaria ?

brianna: reparei - olhou para mim - aquele é o philip.

choquei ! então o rapaz da portaria, e o philip eram a mesma pessoa ... mas eu pensei que ela só se envolvia com pessoas de alto nível.

joyce: mas ele não parava de olhar para ti.

eu: mesmo bri !

brianna: e ? quero lá saber !

mais nenhuma de nós disse nada sobre esse assunto. optamos por outro assunto mais interessante: o ex-namorados delas.

...

quando chegamos à esplanada fomos logo atendidas, eu quis um leite achocolatado e um croissant prensado com manteiga e fiambre. a brianna optou por um sumol de morango e um pastel de carne, e a joyce preferiu um lanche misto e um ice tea de frutos tropicais. quando comemos, e pagamos decidimos ir até ao parque que lá tinha. foi quando a brianna me disse que o kevin estava lá, quando o vi, os seus olhos chocaram com os meus, e instintivamente ambos sorrimos. ele veio ter connosco, e como sempre o meu coração estava demasiado acelerado.

ele: olá - sorriu.

joyce: olá - riu-se.

brianna: heý - sorriu.

apenas esbocei um sorriso, não conseguia dizer nada. acho que isso nunca iria mudar. ele aproximou-se de mim e pôs-me uma mão nas costas e puxou-me para ele, acabando por me dizer um 'olá princesa', nessa altura já consegui retribuir o olá, muito baixo e fraco, mas consegui. sem tempo para reagir, ele imprensou os seus lábios nos meus. agarrei-lhe no cabelo e retribui o beijo, como sempre fazia. as nossa línguas debatiam-se de forma coordenada, fazendo-me arrepiar devido ao objecto frio que se encontrava na sua língua, e que eu tanto gostava de sentir. o seu sabor continuava igual, o sentimento do beijo também, a única coisa que estava diferente era o lugar, porque de resto estava tudo como eu gostava. separamos-nos, e sorrimos um para outro. dando depois atenção às duas raparigas que antes me acompanhavam.

joyce: credo ! ainda ontem estiveram juntos e já há tantas saudades ?

eu: queres que eu te lembre do matt ?

joyce: não, não. obrigado.

a sua forma de evitar o assunto foi tão cómico que nos fez rir a todos.

eu: o quê que estavas aqui a fazer, mor ?

ele: eu estava aqui com uns amigos, mas a grace decidiu ir embora e o colín foi ao café.

acabando de dizer isso, apareceu um rapaz da mesma altura que o kevin, portanto deveria mesmo rondar 1.80cm. usava uma crista e tinha o cabelo no mesmo tom do da brianna, usava um piercing por cima do lábio e um na cartilagem, assim como dois alargadores pretos. pude perceber que o seu nome era colín, pois foi esse o nome que o kevin chamou ao se afastar de mim. ele veio ao nosso encontro, de uma forma relaxada, enquando bebia a sua coca-cola. vestia um conjunto nada chamativo, juntamente com uns óculos de sol. pude ver o interesse da joyce nele, já a brianna não lhe ligou puto, não fazia o seu tipo. o kevin ficou um pouco mais à frente a falar com o colín, e nós ficamos um pouco atrás, a falar do colín.

joyce: mãezinha, quié isto ?!

brianna: já vi melhores. - desvalorizou.

eu: até é giro.

joyce: giro ?! ele é lindo ! ai, acho que acabei de me apaixonar !

eu não disse que ela se apaixonava com facilidade ? eu disse ! eu e a brianna rimos-nos, a joyce nem reparou só olhava para ele.

eu: ele deve ser muito mais velho que tu, joyce.

joyce: e ? a idade não significa nada - ergueu as sobrancelhas - nós ainda vamos ser muito felizes, vais ver.

rapariga: duvido muito, querida. - disse uma rapariga que já se encontrava à nossa beira.

nenhuma de nós tinha dado pela sua presença. a dita cuja tinha o cabelo loiro liso, que lhe batia pela cintura. os seus olhos eram azuis, um azul um pouco sujo. o seu tom de pele era claro, rondaria para aí os 15 anos e mediria por volta a minha altura. vestia uma roupa simples, mas que demonstrava um pouco que a sua forma de ser, não era propriamente a mais doce. era acompanhada por um gorro, uma mala e uns óculos de sol, que a faziam parecer mais velha do que na realidade era.

joyce: não duvides. - continuou a olhar para ele.

ela riu-se de uma forma a que percebesse-mos que estava a gozar com as palavras da joyce.

brianna: ela tem razão - olhou para a rapariga - se eu fosse a ti, não duvidaria das capacidades da joyce.

rapariga: eu duvido - deu uma de ombros - pode até ser muito boa a conquistar, mas ponho a minhas mãos no fogo como o colín, ela não consegue.

então ela conhecia-o. seria sua irmã ? eram um pouco diferentes, mas eu também não sou propriamente a cara chapada do meu irmão. a joyce pensou no mesmo que eu e perguntou-lhe se era sua irmã, a resposta dela foi um simples riso seco. o kevin e o tal colín decidiram vir ter connosco. nessa altura a tal rapariga chegou até ao colín e pôs-se à sua frente, e de uma forma carinhosa disse:

rapariga: estava à tua procura, amor.

colín: bastava ligares tonta - fez-lhe um festa na cara.

para espanto de todos - menos do kevin - eles beijaram-se. aí todas nós percebemos a segurança com que ela afirmava que ele, era inconquistavel.

eu: namoram ? - sussurrei.

ele: yap - riu-se - já agora: aquele é o colín e ela é a fay.

só aí percebi o sentido da frase da blair, quando ela disse que era sua namorada estava a referir-se ao colín e não ao kevin. enquanto a joyce estava com uma cara de enterro, no meu rosto nasceu um sorriso, ele tinha-me dito a verdade. ele não namorava naquela altura.

 

continua ...

publicado por p;αndяαde. ॐ às 16:53
| comentar.
26 pintinhos piu:
De Rita a 1 de Maio de 2011 às 17:33
pois afinal sempre estavam os dois a dizer a vdd xD
o kevin e ela são mesmo fofos *.*
beijinho
De Inês a 1 de Maio de 2011 às 17:49
Blogs e música :)
De carolina lewis a 1 de Maio de 2011 às 18:00
aahaah, adorei, está muito bom, mesmo!
beijinho.
De rose a 1 de Maio de 2011 às 18:05
é, eu adoro-o :$
está muito bom, este :) não consigo ver o teu blog pessoal :s
De i. a 1 de Maio de 2011 às 18:17
mas vamos ver :)
De yellewanne a 1 de Maio de 2011 às 18:27
até parece que num amas esta cabra, muahaha (a)
De Bruna Mendes a 1 de Maio de 2011 às 22:47


  • estou a adorar esta história ! Achas que consegues por o novo capitulo mais rápido?
De p;αndяαde. ॐ a 1 de Maio de 2011 às 23:43
muito obrigado querida. $:
o mais rápido só mesmo sábado ... é os dias em que costumo postar, às vezes com alguns atrasos, mas esse é o dia de postar. sorry. :x
De H* a 2 de Maio de 2011 às 11:05
http://lifeandfics.blogs.sapo.pt/   nas férias de verão vai começar uma fic que tu vais ficar de boca aberta :') para já actualizo-a secalhar!
De Miriam ∞ a 2 de Maio de 2011 às 18:32
que fofooooooos *__*
coitada da Joyce ahahah
De copodeleite a 2 de Maio de 2011 às 18:53
Gostei :) afinal namoram a brenda e o kevin . o colin é inconquistável..gostei xD

comentar.