The Only Exception
Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

capítulo 21. ❤

para recompensar ter estado tanto tempo sem postar :c eu não sou a melhor a escrever sobre isto, mas fiz o meu melhor. xd

capítulo em honra da cátia maria linda da minha vida. ♥

capítulo da dádá. xb

eu: acreditas que isto vá resultar ? - interrompi os seus pensamentos.

ele: tu não ? - olhou para mim.

eu: não sei, são tantas coisas a acontecer que não sei mesmo.

ele: não me digas que estás arrependida.

eu: nunca - olhei para ele - sabes bem que eu jamais me arrependerei de ser feliz, principalmente a teu lado. - sorri-lhe.

ele: como é que consegues ?

eu: o quê ?

ele: estar sempre feliz, confiante e encorajadora, mesmo quando as coisas não são a teu favor.

eu: tenho uma coisa que me ajuda sempre. - sorri.

ele: o quê ?

eu: tu.

ele sorriu-me, aproximei a minha mão da sua cara e acariciei-lhe o rosto. parecia uma criança de olhos fechados, admito que era isso que gostava nele, era a combinação de tarado com a de ingénuo, era a combinação de safado com a de querido. ele próprio era a conjunção de varias adjectivos, muitos deles eram o oposto do outro, mas era isso que o fazia ser único.

encostou os seus lábios aos meus, não passamos disso, de dois lábios colados. mas tanto eu como ele, queriamos mais. deitei-me em cima dele e apoiei o meu queixo no seu peito, ele levou automaticamente a sua mão até uma mexa do meu cabelo e pos atrás da minha orelha, sorri-lhe com esse gesto, ele retribui-me o sorriso.

ele: és tão linda. - sorriu-me.

eu: deixa de ser parvo. - fiquei envergonhada.

ele: estou a falar a sério. - riu-se com o facto de estar envergonhada.

eu: nunca me deixes. - fiquei séria.

automaticamente virou-me para o chão e ficou por cima de mim, olhou-me nos olhos. ele conhecia-me melhor que ninguém, conhecia os meus medos, as minhas duvidas, as minhas certezas, conhecia tudo sobre mim, desde o mais pequeno gesto que fazia em qualquer situação, desde os meus pensamentos.

beijou-me, tanto ele como eu, não precisávamos de palavras. os nossos gestos falavam por nós, os nossos beijos diziam tudo o que a voz não era capaz de dizer. éramos assim, duas pessoas que aparentemente pouco sabiam uma da outra, mas quando se vem a conhecer melhor, percebe-se que um para o outro éramos como a água, tão clara e fácil de ver.

ele: isto responde ao que me disseste ? - sorriu-me.

acenei a cabeça que sim e soltei um riso tímido, ele sorriu ao perceber que estava envergonhada. desta vez foi a minha vez de o beijar, as nossas línguas brincavam uma com a outra, os meus dedos brincavam com os seus cabelos. enquanto o beijava ele tinha uma mão na minha anca e outra na minha cabeça. mordeu-me o lábio inferior e riu-se, ri-me também. era cómico estar a beija-lo enquanto nos ria-mos. aproveitei e mordi-lhe a língua, ele soltou um gemido e apertou-me mais a anca, arrepiei-me toda.

(in)felizmente para mim, o seu toque tinha esse efeito em mim, aliás, acho que sempre terá. fazia-me arrepiar cada vez que o seu corpo tocava no meu, o seu sorriso branco e certo fazia-me tremer, o seu cheiro fazia com que ficasse imediatamente com vontade de o beijar. tudo nele causava em mim, sensações únicas e incontroláveis.

separamos o beijo e ele sorriu-me, baixou a sua cabeça até ao meu pescoço, fazendo assim arrepiar-me, enquanto me beijava o pescoço ria-se, com o facto de me estar a contorcer toda e estar com a dita pele de galinha. subiu os seus beijos pelo meu pescoço acima, chegando assim a minha cara e depois na minha orelha, mordeu-a e eu ri-me. inverti as posições, ficando eu por cima, olhei para ele e pela primeira vez saiu-me um sorriso malicioso, ele riu-se ao perceber o meu sorriso. levei a minha boca até à dele e mordi-lhe o lábio inferior, acabando por o puxar. tudo naquele momento tinha um toque de sensualidade, cada movimento transmitia isso mesmo.

baixei a minha cabeça até ao seu peito nu, e beijei-o, ele levou automaticamente as suas mãos aos meus ombros e inclinou-se, obrigando-me assim a sentar-me em cima das suas pernas, desceu as alças do meu top, e do meu soutien, depositando depois pequenos beijos e mordidas nos mesmos. baixei a cabeça até ao seu pescoço, e com a minha língua fazia pequenos círculos, sentia o sabor da sua pele a espalhar-se pela minha boca. tanto o seu toque como o seu sabor eram agradáveis, eram únicos. de todas as pessoas que conhecera nunca nenhuma me fazia sentir tão eu, com um simples toque, como ele.

levou as suas mãos até à minha anca e começou a puxar o meu top para cima, afastei a minha cabeça e estiquei os braços para cima, facilitando-lhe o trabalho de o retirar. observou o meu tronco todo, ao minimo detalhe.

eu: que foi ? - perguntei a rir-me.

ele: tu és perfeita. - olhou sério para mim.

eu: que exagerado. - ri-me.

ele: não sou, sabes bem. dizem que a perfeição é caracterizada por defeitos, mas por mais que eu os tente achar em ti, não encontro nenhum.

eu: tens que olhar com mais atenção, então. - sorri.

ele: e tocar, posso ? - mordeu o lábio.

eu: esta noite ? podes tudo. - depositei um beijo no seu nariz.

ele: só esta noite ? - perguntou chocado.

eu: a vida inteira ?

ele: não perguntes, afirma !

eu: a vida inteira !

ele: assim está melhor. - sorriu e beijou-me.

nada se ouvia para além dos nossos beijos, e dos grilos de lá de fora. pegou no meu longo cabelo e levou-o até ao meu ombro esquerdo, descendo assim as mãos até ao meu soutien, conseguindo desapertando-o, com alguma dificuldade, mas conseguiu. os seus dedos pareciam conhecer cada canto do meu corpo, parecia que conheciam cada ponto fraco que nele tinha. beijou-me o peito, o que me fez estremecer nos seus braços, ele brincava com a língua nos meus seios, enquanto as suas mãos brincavam com as minhas costas, as minhas mãos travavam uma luta com o seu cabelo. levei uma mão aos seus boxers e comecei a brincar com o elástico dos mesmos, ele parou de me beijar percebendo qual a minha intenção, e com as suas mãos em cima das minhas baixou-os. era estranho estar numa situação daquelas, mas ao mesmo tempo agradável, lá estava ele a fazer com que as diferentes sensações se misturassem. com as suas mãos inclinou-me com delicadeza, no chão, deitando-se por cima de mim. olhamos nos olhos um do outro e por incrível coincidência, depositamos um sorriso nas nossas bocas ao mesmo tempo, ele continuava a fazer-me festas nos ombros e na anca, as minhas mãos teimavam em brincar com o seu cabelo castanho avelã.

percebi que ele, como eu, não estava a aguentar mais. deixou de brincar com o meu corpo e deslizou por ele, até chegar à minha barriga e fazer-me uma festa na marca que me tinha feito, sorriu ao olhar para ela. mas logo voltou ao seu objectivo inicial. com uma mão agarrou no elástico dos meus shorts e puxou-os, tirando-os juntamente com os meus boxers. após conseguir despir-me por completo, voltou até à minha boca e beijou-me. sem dar conta, ele juntou os nossos corpos, agarrei com uma mão os seus cabelos, e outra nas costas, acabando por lhe espetar as unhas, ele gemeu durante o beijo. a dor logo desapareceu dando passajem a uma sensação que naquela noite teimava em dar a sua graça: prazer.

ambos gemíamos descontroladamente, alguns desses gemidos eram abafados com beijos, outros saiam naturalmente, sem dar tempo de os calar. só depois é que percebi que muito provavelmente também seria a sua primeira vez, sorri ao perceber isso. ele agora beijava os meus ombros, enquanto continuava com os movimentos. após perceber que estava a chegar ao seu limite (assim como eu) aumentou a velocidade dos movimentos, quando o atingimos eu soltei um gemido sonoro, ao que ele logo tratou de o calar com um beijo. saiu de cima de mim e deitou-se ao meu lado. puxou o saco de cama para cima, fazendo assim que nos tapássemos. eu estava de lado e ele estava deitado de barriga para cima, com uma mão à volta do meu pescoço brincado com o meu cabelo. as minhas mãos faziam círculos imaginários na sua barriga. nada dissemos, estávamos a tentar controlar as nossas respirações.

ele: eu amo-te, miúda. - foi a vez dele quebrar o silêncio.

eu: e eu a ti. - aconcheguei a minha cabeça no seu peito. - sabes ?

ele: o quê ?

eu: nunca imaginei que fosse contigo.

ele: para ser sincero, nem eu. nunca. - olhou para mim - mas ainda bem que foi. - sorriu.

eu: isso não vale. - fiz beicinho.

ele: o quê ? - riu-se.

eu: roubaste-me o protagonismo, era eu que ia dizer isso.

ele: azar. - riu-se ainda mais.

eu: parvo. - ri-me.

ele: que tu amas.

eu: pois amo. - estiquei a minha cabeça e depositei de leve um beijo nos seus lábios. - vamos brincar ao faz de conta ? - sorri.

ele: está bem - riu-se - começa tu.

eu: hmm, faz de conta que és só meu, e não da tua namorada. - mordi o lábio.

ele: não é preciso fazer de conta, eu sou teu, nunca duvides disso. - sorriu-me.

 

continua ...

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 21:30
| comentar.
65 pintinhos piu:
De maggie. a 11 de Janeiro de 2011 às 22:03
eles... coise 8D
gostei do capítulo *-*
De maggie. a 11 de Janeiro de 2011 às 22:03
primeira :D
De Ana Silva ♥ a 11 de Janeiro de 2011 às 22:15
a minha melhor vai-me proibir de ler o teu blog x.x
Do tipo eu como maior fã desta tua fic eu tenho a dizer que WOW AMEI AMEI MESMO, AMEI a tua  definição dos seus actos, amei e nada mais tenho a dizer. *-*
JURO QUE ESTA PERFEITO!
De Carina Soares a 11 de Janeiro de 2011 às 22:21
AMEI OMG. tava ansiosa para que eles coiso e tal e tal e coiso :c
De dan a 11 de Janeiro de 2011 às 22:31
icha mén, eles coise :o
epá, a sério, tu tens um geito para descrever os detalhes !
QUEROOOO MAIS, MAS TEM QUE SER GRANDE :c
o capítulo é da fã nº1 again. (a)
De Carina Soares a 11 de Janeiro de 2011 às 22:56
é uma forma fofinha de dizer sexo ó parva :c
De Carina Soares a 11 de Janeiro de 2011 às 22:58
FOGOOO, mas tu decide-te :c
De Catie ♥ a 11 de Janeiro de 2011 às 23:16
Eles coisaram *-* 
Meu deus miuda eu adoro mesmo esta fic , ou melhor amo, a forma como descreves cada momento com eles , faz com que esta não seja uma fic , mas sim A FIC , mais & mais e rápidamente porque senão eu morro mazé o:
De dans a 11 de Janeiro de 2011 às 23:19
lindo lindo, tens de escrever mais rápido +.+
são mesmo lindos os dois juntinhoos. estava com medo que fossem apanhados ahah.
beijinhos*
De carolina lewis a 12 de Janeiro de 2011 às 14:26
está perfeito, *-*
beijinho.
De Kelly a 12 de Janeiro de 2011 às 15:15
A sério ( :
Amei este capítulo, escreves mesmo bem *.*

comentar.