The Only Exception
Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

capítulo 20. ❤

está pequeno eu sei, mas foi o máximo. xb

espero que gostem e não me matem u.u porque fui pressionada e ainda estou traumatizada. (a)

o capítulo é da dádá. *-*

levantou-se cuidadosamente, para eu não cair, deserta forma o meu corpo estava apoiado ao seu. olhei para cima e vi-o a sorrir para mim.

ele: vamos ? - estendeu-me a mão.

eu: num quero. - fiz beicinho e cruzei os braços.

ele: então e porquê ? - riu-se.

eu: vou ter que te ver com a savannah e não me apetece. - virei a cara.

ele: psst. - abaixou-se - eý, olha para mim.

eu: diz. - obedeci e olhei para ele.

ele: hoje não. - sorriu.

eu: olha lá, eu tenho uma quantidade excessiva de álcool no sangue e tu vens-me com trocadilhos ? - ergui a sobrancelha.

ele soltou uma gargalha bem audível e acariciou-me o rosto. aproximou-se calmamente de mim e roçou os seus lábios no meus, olhei para si, ele estava de olhos fechados. parece estranho, mas naquele momento fez-me ama-lo ainda mais, aquele seu ar desprotegido e de criança, fez com que ficasse com vontade de o abraçar e de assegurar que não ia a lado nenhum, não sem mim. abracei-o, simplesmente abracei-o. fechei os olhos e fiquei apenas a sentir o seu cheiro, e a sua segurança. ninguém conseguia fazer-me sentir assim tão bem como ele, ninguém tinha a capacidade de me fazer tão eu, como ele. era ele, sempre seria ele.

rocei o meu nariz ao seu pescoço, senti que se tinha arrepiado, afastou uma mexa do meu cabelo e sussurrou-me ao ouvido;

ele: não quero te perder por nada deste mundo.

foi a minha vez de me arrepiar, sorri ao compreender melhor as suas palavras. aproximei os meus lábios do seu pescoço e encostei-os, ele apercebeu-se o que eu iria fazer e tentou afastar-te, dizendo que não, passei a minha língua ao seu pescoço, o que mais uma vez o fez arrepiar, pedi-lhe um 'por favor' bem convincente, ao que ele cedeu. adorava ter este poder sobre ele, adorava saber que ele não me negava nada, por mais caprichoso que fosse, não o fazia.

fazia-me crer que quando dizia que faria tudo por mim, era verdade. é certo que não tinha motivos para duvidar dos seus sentimentos, mas temos que admitir que qualquer rapariga adora que o rapaz prove o que tanto lhe jura, fazia-a mais feliz e decerto modo aumenta a chama que existe entre eles. palavras são bonitas, mas gestos ainda são mais.

voltei a aproximar os meus lábios do seu pescoço, abri-os devagar. nada se ouvi-a naquele lugar, para além da música ambiente e do barulho de algumas pessoas a falar. puxei a sua pele com a minha boca, durante algum tempo, tempo suficiente para conseguir deixar a minha marca, ele agarrava-me na anca com força, mas também com suavidade. só ele tinha a capacidade de conjugar sentimentos tão distintos, só ele tinha a capacidade de envolver coisas opostas, e torna-las nalgo igual e bom.

ele: é a minha vez. - fez um sorriso perverso.

eu: mau - afastei-me - vê lá as ideias.

ele: quero na barriga.

eu: quê ? - ergui a sobrancelha.

ele: estou a arriscar a minha vida ao ter um chupão no meu pescoço.

eu: que dramático. - revirei os olhos.

ele: como é que achas que a savannah vai reagir quando vir um chupão no pescoço do namorado ? ah, recordando que ela não fez nenhum.

não consegui deixar de rir, certamente seria uma cena linda. e depois para completar ele dizia-lhe que a andava a trair à quase três meses.

eu: na barriga não !

ele: mas eu quero. - olhou-me nos olhos.

eu: porquê que não escolhes noutro sitio ?

ele: muito simples - fez-me uma festa no rosto - eu quero poder fazer-te uma marca minha, onde só tu possas ver. onde só tu possas ter a noção do quanto isto é só nosso.

não deixei de sorrir com as suas palavras, tornava-se difícil negar-lhe alguma coisa, e ele começava a aperceber-se disso. dei-lhe um beijo no nariz e levantei-me. ele olhou para mim, levantei a camisola, ao que ele sorriu.

eu: vá lá, despacha-te. - sorri.

ele: isto vai ter que ser feito com calma e muito carinho, não é de qualquer forma. - sorriu-me.

aproximou os seus lábios macios e doces ao meu ventre e começou então a fazer-me um chupão, era estranho, mas ao mesmo tempo querido. fazia os possíveis para não me rir, mas tornava-se complicado. só para ter um visão melhor desta cena; estava eu de pé, com a camisola levantada, com uma cara um bocado para o esgrouviada, devido a ter estado a chorar e de ter estado a beber, com um rapaz de joelhos com a sua boca no meu ventre, isto tudo numa casa de banho de uma discoteca ! isto parecia mais um cenário típico de um episódio dos skins, ou de um dos filmes do american pie. ele afastou-se e sorriu satisfeito com o que acabara de fazer, baixei a cabeça e deparei-me com uma mancha enorme ! ele era louco e tinha deixado tal marca na minha barriga, que mais parecia que tinha sido gravemente agredida.

eu: viste  tamanho disto ? - fiquei de boca aberta.

ele: é para teres uma pequena noção do meu amor por ti. - agarrou-me na cabeça - és minha.

pela primeira vez na vida, ele tinha-me puxado com ligeira força para si e tinha começado um beijo violento, meio faminto. fiquei surpreendida, porque todos os beijos que ele me dava eram calmos, mas não me impediu de retribuir. para variar as nossas línguas não dançavam juntas, mas lutavam. era uma espécie de tentar perceber qual de nós beijava melhor. afastamos-nos, bastante ofegantes, ele riu-se e encostou a sua testa à minha.

ele: quando tiveres qualquer duvida do meu amor por ti, lembra-te que o meu primeiro 'amo-te' verdadeiro foi dito a ti.

corei e ele riu-se. baixei a camisola e ele deu-me a mão, saímos da casa de banho, após uma hora, saímos. a nossa sorte foi ninguém ter tido vontade de ir à casa de banho.

não estava lá nem a payton, nem o chris e muito menos a savannah. mas também não era de admirar, não estava à espera que ficassem uma hora à espera da bêbada e do revoltado.

o caminho foi calmo, andavamos como verdadeiros namorados; de mãos dadas, sempre a rir e sorrir e a parar para nos beijarmos. parecia que a boca dele atraía a minha. e como nós não gostamos mesmo nada de contrariar as coisas, juntavamos-las. ahahah.

chegamos ao acampamento e largamos-nos, eles estavam sentados à volta da fogueira, à nossa espera. quando chegamos ficaram todos a olhar para nós.

ele: consegui trazer a bêbada são e salva ! - riu-se.

savannah: estou a ver que sim, mas tanto tempo ?

ele: o quê que queres ? a rapariga é doente !

eu: eý. - dei-lhe um cachaço.

ele: é verdade. - riu-se.

payton: estás melhor ?

eu: quem eu ?

chris: claro !

eu: nunca estive mal. - ri-me.

payton: ui, ao que parece continuas alegre.

eu: sempre. - ri-me ainda mais.

chris: eu não me deito contigo !

eu: então e porquê ? - perguntei escandalizada.

chris: estás bêbada ! - argumentou.

eu: num quero dormir sozinha. - fiz beicinho.

payton: eu não vou dormir contigo. - levantou os braços em sua defesa.

eu: antes que digas alguma coisa, eu não quero que durmas comigo savannah.

savannah: não ia dizer nada. - protestou.

eu: mesmo assim, é melhor prevenir que remediar.

payton: só resta o justin.

savannah: nem pensem ! - disse fula.

eu: sim, pode ser o justin. - comecei aos pulinhos.

savannah: amor ?

ele: porquê eu ?

eu: porque és fofinho e a minha mãe gosta muito de ti. - comecei a sorrir e balançar para a frente.

sim, estava-me a fingir de bêbada ! eý, nada de me julgarem, apenas queria poder dormir ao lado do rapaz que amava.

payton: importas-te ?

ele: vais-me atacar durante a noite ?

eu: nunca, juro. - cruzei os dedos à frente da minha boca, em sinal de jura.

ele: está bem, eu vou.

eu: ýeeeeei !

savannah: o quê ? - gritou.

eu: fala baixo, olha os meus ouvidos.

savannah: eu não acredito nisto !

ele: é por uma boa causa amor. - aproximou-se dela - não precisas de ter medo, sabes bem quem eu amo. - deu-lhe um selinho.

savannah: mas só porque estás bêbada. - saiu toda revoltada.

chris: bem, vou para a tua tenda justin.

payton: não vou dormir contigo !

chris: não estás à espera que durma com a savannah, pois não ?

payton: ai pronto, eu vou dormir com ela !

chris: obrigado. - sorriu e saiu.

payton: linda marca no pescoço justin, não reparei nela quando estávamos na discoteca. - riu-se.

ele: é que ... - foi interrompido.

payton: foste apanhado por uma bêbada, acertei ? - riu-se.

ele: é, parece que sim. - coçou a cabeça.

payton: noite produtiva esta. - riu-se e saiu.

eu: vamos ?

ele: vamos.

fomos até à tenda e entramos, ele tirou a roupa e ficou só de boxers. eu também tirei a minha roupa, claro que o obriguei a virar a cara para o outro lado enquanto o fazia, e deitei-me. ele virou-se na minha direcção e eu comecei a dar-lhe beijos na cara.

ele: prometes-te que não me atacavas, riu-se.

eu: tu não pareces muito incomodado. - beijei-lhe de leve os lábios.

ele: nem um pouco. - abraçou-me.

eu: eu sabia. - sorri.

ele: tu não estás bêbada.

eu: nem tu estás apaixonado por ela.

ele sorriu, nada disse, apenas sorriu e beijou-me. naquela noite ? eu iria poder dormir abraçada a ele, sem ser preciso sonhar com isso, pois quando acorda-se ainda o teria ali, à minha beira, a proteger-me.

 

continua ...

 

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 01:30
| comentar.
60 pintinhos piu:
De Carina Soares a 29 de Dezembro de 2010 às 01:45
AWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW,  TÁ LINDOOOOOOOOOOOOOOOOOO
De C;soares:O a 29 de Dezembro de 2010 às 01:47
Que fofinho! escreves mesmo bem ;D
De agnes hope a 29 de Dezembro de 2010 às 02:01
obrigada (:
De Agnes ♥ a 29 de Dezembro de 2010 às 02:43
Amei :D
vou ler desde o inicio :p
De Teresa a 29 de Dezembro de 2010 às 10:29
Amo completamente os visuais dos teus blogs (:
De Dri a 29 de Dezembro de 2010 às 10:30
:)
De Jéssica a 29 de Dezembro de 2010 às 10:59
de nada :) mais uma vez, adorei *-* 
De psycho ; a 29 de Dezembro de 2010 às 11:30
aiii! LINDO, Perfeito.

eu já te disse como eu amo isto? e simplesmente lindo. AIII. eu amo amo amo amo amo (: posta mais pfv.

Vou ler tudo outra vez :p tá me a apetecer atéé jáá.
AHHHHHH. Aserio é umas das minhas 4 fics preferidas.
De Ana Silva ♥ a 29 de Dezembro de 2010 às 11:53
é escusado dizer que AMEI certo? :o
ó rapariga, se num queres fazer uma criança pequena a morrer de ansiedade por ler mais um capitulo POSTA RÁPIDO :c
Eu vou morrendo sempre que venho aqui e num esta nada :/
O post esta LINDO :3
ele vão dormir juntos weeeee *-
( sim não sabes o quanto estou feliz á custa disto :o )
AMOOOOOOOOOOO :$
De daniela a 29 de Dezembro de 2010 às 11:54
tava a ver que não publicavas mais +.+
esta fic está de maaaaaais ! :x
POSTA MAIS , SHIM ?

comentar.