The Only Exception
Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010

capítulo 15. ❤

obrigado - mariana ♥ pela divulgação. <3

estive a explicar tudo ao pormenor à payton, ela só sabia fazer grunhidos do tipo 'woow'; 'oh'; 'ah'. mas lá aceitou e esteve prestes a matar-me devido ao facto de lhe ter ocultado algo tão importante, como a minha relação com o seu irmão.

mas isso naquele momento era o menos, estava tão, mas tão ansiosa para que ele chegasse, acho que nunca tive tanta vontade de estar com ele, como actualmente estaria a acontecer.

cada vez menos conseguia esconder o meu nervosismo. se houve altura em que fiquei com ódio do tempo foi naquela mesma. a payton apercebeu-se do meu nervosismo e tentou acalmar-me.

payton: calma mulher !

eu: não consigo ! - disse enquanto brincava com os meus dedos - e se ele não me quiser mais ?

payton: claro.

eu: é uma hipótese payton.

payton: uma hipótese era internar-te.

eu: óh payton, a sério ! tenho medo que ele depois disso não queira nada comigo.

payton: claro, ele vai acabar com a namorada, por tua causa e no fim não vai querer na contigo, que ideia mais credível e logística.

eu: achas que ele demora ?

payton: não, deve estar aí a chegar.

eu: vou dar em louca ! - levei as mãos à cara.

payton: nunca te vi assim por ninguém, meu Deus.

eu: é normal, ele é diferente.

payton: para quem o odiava.

eu: não tive culpa.

payton: ninguém te culpou.

ouvi uma chaves a entrar na porta, a fechadura a ser rodada, a porta a abrir-se e ele entrou. saltei instantaneamente do sofá, estava com um sorriso enorme na cara, até que vejo a savannah a aparecer por trás e a abraça-lo pela cintura, como se fosse uma criança à procura do abrigo dos pais. o meu sorriso desapareceu logo, dando lugar a uma expressão desiludida. ele envolveu os braços nela e depositou-lhe um beijo na cabeça.

payton: o quê que ela está aqui a fazer ?

ele: ela está mal, como podes ver e então eu decidi traze-la para cá.

payton: logo para aqui ?

ele: claro.

payton: claro ?

ele: sim - olhou para mim - é minha namorada é normal.

namorada ? só não chorei naquele momento, por ter um orgulho demasiado grande. não conseguia falar, estava em estado de choque, ele tinha dado a resposta que eu mais temia ouvir da sua boca.

payton: e o quê que ela tem ?

ele: discutiu com os pais.

payton: ui, que drama ! - disse num tom de pura ironia.

savannah: se quiserem, eu posso ir. não quero incomodar.

payton: quero. se não te importas, sai.

eu: deixa-a payton. podes ficar, és muito bem vinda.

a payton olhou-me com ar de admiração, seguindo o justin os mesmos passos.

payton: mas tu passaste-te ? - perguntou incrédula.

eu: não, simplesmente o justin está aqui a viver logo tem o direito de trazer para cá quem quiser.

savannah: a sério que não incomodo ?

payton: não.

ele: payton !

payton: quié ? tu nem sequer me fales.

ele: já sabes ?

payton: que és grande cão ? sim, sei.

ele: tenta perceber-me.

eu: não fiques aí à porta, entra. - sorri.

não ia deixar que a minha desilusão, e o meu sofrimento transpacessem, não à frente dele. para mim, acabou no momento que o ouvi dizer 'namorada', nunca tive paciência para triângulos amorosos e não seria agora que teria. cada um faz a sua opção, e ele decerto que já fez a sua e melhor de tudo decidiu esfrega-la na minha cara.

ele: ela pode ficar cá a dormir ?

payton: claro, queres que lhe dê o quarto em que estou a dormir ?!

ele: deixa de ser assim ! ela está mal, não vês ? - olhou para ela.

payton: tu és tão, mas tão anormal que até me custa ser tua irmã.

eu: ela já está mais calma. - aproximei-me deles.

payton: o meu irmão quer saber se ela pode ficar cá a dormir. - olhou com cara de revolta.

mais uma facada ! yeei, daqui a nada vou ficar parecida com um queijo suíço, cheia de buracos.

eu: claro. fica no quarto do justin !

ele olhou para mim, eu nem sequer me dignei a olhá-lo, estava magoada demais para o conseguir fazer.

payton: mas tu estás parva ?

eu: não.

payton: vais mesmo deixa-la cá dormir ?

eu: a mim não me faz diferença nenhuma, vai dormir com o teu irmão, não é comigo. - dei uma de ombros.

ele: obrigado.

eu: bem, eu vou lanchar que ainda não lanchei. - virei-me para trás - queres comer alguma coisa ?

savannah: não é preciso, já estive a comer chocolates que o justin tinha.

outra facada !

eu: pronto, tu é que sabes.

payton: ai que raiva ! oblá tu não dizes nada ?

eu: o quê que queres que eu diga payton ?!

payton: que reajas ! tu não pareces normal.

eu: não estou ! acabaste de ver o quê que ele me fez ?

payton: por isso mesmo. ainda a aceitas aqui ?!

eu: o problema não é ela, é a infantilidade do teu irmão.

payton: mas dormir cá, cate ? dormir na tua casa, com ele ?

eu: ele está cá a viver e ela é a sua namorada, portanto, não lhe ia recusar isso.

payton: acorda ! - abanou-a.

eu: já acordei, da pior maneira, mas acordei !

payton: não vais falar com ele ?

eu: não. para ouvir mais mentiras ? dispenso.

payton: eu não acredito que vais desistir dele, por causa dela.

eu: não é por causa dela, é por minha ! não tenho mais condições de estar a sofrer, não tenho mais condições de acreditar no que o meu coração diz, não tenho condições para manter esta fachada, não tenho !

ele: podemos falar ?

eu: bem, vou para a sala, vens payton ?

payton: vou.

passei por ele, nem sequer o olhei, até que ele me puxa pelo braço e me faz virar depressa para si.

ele: preciso falar contigo, agora.

payton: bem, eu vou indo. - saiu da cozinha.

ele: não achas que devemos falar ?

eu: não, acho é que me deves largar. - soltei-me.

ele: deixa-me explicar.

eu: não quero.

ele: eu amo-te.

eu: pouco me importa.

ele: quando ela estiver bem, eu vou acabar com ela.

eu: não o faças.

ele: porquê ?

eu: porque ela gosta de ti.

ele: e tu também.

eu: não por muito tempo.

ele: estás a desistir de nós ?

eu: não, estou a lutar por mim, pela minha felicidade.

ele: até à pouco a tua felicidade não era a meu lado ?

eu: até à pouco a floribella, não estava na moda ?

ele: o quê que isso tem a ver ?

eu: as coisas passam e deixam de ser o que eram.

ele: estás a dizer que deixas-te de gostar de mim ?

eu: não, quer dizer que deixei de estar à espera de alguém que só me magoa.

ele: ela precisava de mim.

eu: e vai sempre precisar, és o namorado dela.

ele: não por muito tempo.

eu: pouco me importa.

ele: não desistas.

eu: desisti após perceber que já o tinhas feito.

ele: eu não desisti.

eu: claro que não.

ele: acredita em mim.

eu: eu acredito.

ele: a sério ?

eu: claro. diz-me só uma coisa.

ele: claro, tudo o que quiseres.

eu: quem é que está na sala ?

ele: a savannah.

eu: e ela é-te o quê ?

ele: minha namorada. - disse quase num sussurro.

eu: pronto, aí está a prova que desistis-te. - virei-lhe as costas - ah, espero que sejas feliz, que eu vou fazer o mesmo. - voltei a virar-me e prossegui.

caminhei até à sala e a savannah estava a assistir televisão, sozinha, sentada no sofá.

eu: a payton ?

savannah: não sei.

eu: ok.

savannah: obrigado por me teres deixado ficar, mesmo depois de tudo.

eu: não sou rancorosa.

o justin entrou nesse momento na sala.

savannah: amor, anda para aqui para a minha beira. - bateu no sofá a sorrir.

ele olhou para mim e baixou a cabeça, caminhando até à beira dela, sentando-se à sua beira. permitindo assim que ela se aconchegasse a ele, como eu à tempos tinha feito, naquele mesmo sofá.

savannah: não queres assistir aqui um filme connosco ?

eu: não, obrigado.

savannah: tens a certeza ?

eu: sim. bem, vou para o meu quarto.

savannah: está bem. - sorriu.

eu: juízo. - esforcei um riso.

savannah: com o justin ao meu lado fica complicado, mas vamos tentar. - riu-se.

o justin dirigiu o seu olhar para mim, de certo modo era um pedido de desculpas. mas farta de pedidos de desculpas estava eu, subi as escadas subindo para o meu quarto, mas enquando as subia ainda consegui ouvir ela a dizer que o amava, não quis ouvir a resposta dele e subi os restantes degraus a correr, entrei no quarto e fechei a porta.

já estava, a mascara tinha-me caído. encostei-me à porta e escorreguei por ela abaixo. ali, não tinha que fingir que estava bem, não tinha que me fazer de forte.

não tentei evitar as lágrimas, não tinha forças para isso ! estava magoada demais, caí na realidade da pior maneira.

a imagem que pairava na minha cabeça era dele, a chegar a casa e ela aparecer e abraçar-se a ele, na minha cabeça fazia o eco da palavra 'namorada'.

encostei a cabeça na porta e foi a imagem do teu rosto que parecia estar desenhado no tecto do quarto; não estava, era apenas o meu sub-consciente a pregar-me mais uma partida.

tu não virias, agora que eu precisava tu não irias aparecer, eu tinha a noção disso, mas mesmo assim fiquei esperançosa, que entrasses por aquele quarto a dentro e me dissesses que aquilo era uma mera mentira e que já podiamos estar juntos. como era de esperar, não apareces-te.

levantei-me e caminhei até à cama, deitei-me nela e agarrei-me a um peluche que lá tinha. sim, tinha sido aquele que me tinhas enviado quando eu estava na inglaterra.

tinha o teu cheiro entranhado em cada pelo seu, apertei-o mais contra mim, como se aquilo quisesse dizer que era a ti que estava a abraçar, como se me sentisse protegida, decerta forma.

tinha uma mistura de sentimentos dentro de mim, e não sabia como controlar isso, as lágrimas teimavam em caír e a minhas forças eram cada vez menores, acabando assim por adormecer com a imagem do teu sorriso no meu pensamento.

 

continua ...

 

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 00:38
| comentar.
56 pintinhos piu:
De Juh... a 11 de Novembro de 2010 às 00:54
esta lindo eu quase chorei tomara que o justin acabe logo com savannah que raiva mais sim
bjinhus Juh
De agnes hope a 11 de Novembro de 2010 às 09:47
estou o quê? já não me lembro xD
beijinhos na testa.
De D. a 11 de Novembro de 2010 às 10:03
AI , eu ñ acredito que o justin lhe fez mesmo aquilo :o
JURO Q NÃO ACREDITO !
ah , e hoje prepara-te para os100 comentários :o
ahah :$
essa mariana , a quem agradeces-te é a minha ex-melhor-amiga :'x
BEM , AMEI O CAPITÚLO , ESTÁ BOÉ , WOW *-*
vou estudar , e depois venho fazer os comentários +.+
BEIJINHOOOOOOOS <3
De Teresa a 11 de Novembro de 2010 às 10:28
Ora essa, de nada (;
De Sallie a 11 de Novembro de 2010 às 11:32
aii, o amor é horrível quando tem coisas destas.
está lindo obviamente *.* beijinhos (:
De Filippa a 11 de Novembro de 2010 às 14:11
Aloo,
tive a ler a tua história toda e fiquei automaticamente viciada +.+
O justin não acabou com a outra -_- , a Caitlin foi bastante forte até chegar ao quarto, fez muito bem em não dar parte fraca :D
Mais mais :D
De Catie ♥ a 11 de Novembro de 2010 às 15:00
Que horror ! Posta maiiiiiiiiiiiiiisss +.+
Beijos .
Ah e sim espero que ele não vá :'x
De daniiela a 11 de Novembro de 2010 às 15:02
fogo, ele é mesmo estúpido ! vieram-me as lágrimas aos olhos :x espero bem que ela encontre agora um fofinho que a trate 200 vezes melhor qye o justin a tratou , só para ele depois ver o que perdeu !
estou ansiosa por mais +.+
De daniiela a 11 de Novembro de 2010 às 15:02
fogo, ele é mesmo estúpido ! vieram-me as lágrimas aos olhos :x espero bem que ela encontre agora um fofinho que a trate 200 vezes melhor qye o justin a tratou , só para ele depois ver o que perdeu !
estou ansiosa por mais +.+
De yellewanne a 11 de Novembro de 2010 às 15:57
não ando a seguir, mas tenho a certeza que está lindooooo *-*

comentar.