The Only Exception
Terça-feira, 2 de Novembro de 2010

capítulo 13. ❤

mal a payton chegou da festa bombardeou-me de perguntas, o porquê de me ter vindo embora e ter desaparecido e não sei mais o quê, dei-lhe uma desculpa super simples e que é a mais usada neste mundo; não me estava a sentir bem.

não sei como é que ela tinha caído nessa, acho que o facto de ela namorar com o ryan lhe anda a tirar a lógica toda e a leva-la para um mundo paranormal.

era hoje, não iria poder fugir mais, tinha que ir à escola. neste momento fazia de tudo para não me cruzar com ele em casa, a verdade é que a savannah lhe consumia bastante tempo, para meu desespero e felicidade.

por mais que fingisse que estava tudo bem, não estava, claro que não estava ! o rapaz que eu gostava, namorava com outra, mas que quando me beija me faz acreditar que ainda me ama.

vesti-me sobre esses pensamentos, teria que esperar por ele, como era óbvio.

ele desceu, foi em direcção à cozinha, eu estava lá sentada, a payton ainda se estava a arranjar e o chris não tinha aulas de manhã, ele mal entrou, o seu olhar cruzou com o meu, bateu-me uma saudade enorme, desviei o olhar, e baixei a cabeça para continuar a comer os meus cereais.

ele caminhou até ao armário, e procurou os cereais.

eu: estão aqui. - disse-lhe pegando no pacote de cereais.

ele: obrigado. - caminhou até mim e pegou na caixa.sem querer a mão dele tocou na minha, direccionei o meu olhar para ele, que por acaso estava na minha direcção, retirei a mão e peguei na colher e continuei a comer, ele direccionou-se até à banca e preparou o seu pequeno-almoço.

sentou-se mesmo à minha frente, parecia que ele fazia de propósito para me provocar, e a verdade é que se a intenção dele era eu fazer algo que talvez me viesse a arrepender, estava quase a conseguir.

estava um clima pesado, os olhares eram frequentes e as tentativas de os diminuir eram em demasia, mas também inúteis, até que apareceu a payton e salvou o caso.

payton: já comeram ?

eu: já.

ele: ainda não.

eu: bem, eu vou lavar os dentes.

payton: está bem.

ele: acabei. - levantou-se e foi por a tigela no lava-loiça.

payton: vais connosco ?

ele: nup, vou com a minha namorada.

eu: deixa lá payton, ele agora pouco quer saber de nós, só quer namorada para a cabeça.

payton: tens razão.

ele: não disseste que eu podia ser feliz com ela ? - sussurrou-me.

eu: por mim, estás à vontade. - sussurrei.

ele: ainda bem, porque estou muito feliz.

eu: se estivesses assim tão feliz, nunca me tinhas beijado daquele jeito. - virei-lhe a cara e fui à casa-de-banho.

quando saí ele já lá não estava, apenas tinha a payton à minha espera. seguimos sempre, a primeira aula foi complicada devido ao facto de que estavamos na mesma mesa, mas passou-se.

soou o toque de saída, todos nos levantamos e caminhamos para o intervalo, fomos até ao campo. era grande e estava cheio de gente, até que avistei o justin e a namorada, encostados numa parede aos beijos, abalou-me, admito que me abalou bastante vê-los aos beijos, ele reparou que eu estava a olhar, apercebi-me disso e virei a cara com alguma arrogância, deserta forma eu não lhe queria mostrar o quanto aquele relacionamento me afectava, o meu orgulho jamais permitira isso.

mais uma vez a campaínha tocou, desta vez era para a entrada, iriamos ter português. estavamos a caminho da aula, quando a savannah me agarrou no braço.

savannah: quero falar contigo.

eu: desculpa, mas conheço-te ?

savannah: sim, e não é só a mim.

payton: o quê que ela está a dizer ?

eu: nada, vamos lá então.

savannah: vejo que tomas-te a opção correcta.

eu: credo, parece que estamos em algum concurso.

savannah: sentido de humor, o justin adora isso.

percebi logo onde ela queria chegar, entramos dentro do quarto-de-banho.

eu: eu sei bem do que o justin gosta. - provoquei-a.

savannah: sabes tanto que ele agora está comigo. - protestou.

eu: nem sempre fazemos as opções correctas, num é verdade ? - dei um sorriso amarelo - mas estamos sempre a tempo, num é ?

savannah: não me provoques, caso não queiras ter as minhas impressões digitais nessa tua cara. - deu um passo em frente.

eu: de quem ? tuas ? e eras ! para me tocares, ainda tens que conseguir mudar a cor desse cabelo.

savannah: não preciso de mudar nada, o justin gosta de mim assim.

eu: gosta tanto, que ontem me beijou.

após ter dito isto, é que percebi a guinha que tinha acabado de fazer, ou então não.

savannah: na verdade, quem o beijou foste tu. - riu-se.

eu: já sabias ? -perguntei escandalizada.

savannah: ya, ele conta-me tudo querida.

eu: eita lélé, és chifruda por gosto !

savannah: chifruda nada, ele garantiu-me não sentir nada por ti, isso para mim basta-me.

eu: ok, afinal o problema não é só exterior, afinal é loiro interiormente.

savannah: só te queria dizer para ficares longe do meu namorado. - carregou na palavra namorado.

eu: não te prometo nada. - dei um sorriso sinico e saí.

savannah: ESTÁS AVISADA. - gritou.

que grande lata, quem é que ela pensava que era ? sim, pois, claro ! se antes estava decidida a ignorar o justin em consideração a ela, agora é que me vou mesmo lutar. afastar-me dele ? nem a minha mãe me pede alguma coisa, fará uma rapariga em fase de desenvolvimento.

bati na porta e pedi desculpa pelo atraso, o justin olhou na minha direcção, fiquei com uma cara de confusa devido ao facto de naquela sala todas as mesas estarem encostadas a um canto.

professor: vá caitlin, vai para a beira dos teus colegas, que eu já vou explicar o porquê disto tudo.

fui na direcção da parede, onde estavam todos encostados, fui par a beira do justin, que ficou surpreendido com a minha atitude.

professor: bem, então isto é o seguinte; já muitos ouviram falar nos contos e ditos e no disse que disse, correcto ? então isto é assim; vocês vão formar uma roda, não podem mudar o sentido, com isto eu quero dizer; se o ryan está entre a payton e a bridgit, na formação da roda, vai ter que ficar nessa posição, estou-me a fazer entender ?

keana: sim stor, mas o quê que isso vai consistir ?

professor: muito simples, minha cara aluna. eu vou dizer aqui ao ouvido da anna uma palavra e ela vai ter que dizer à payton, seguidamente a payton vai fazer isso ao ryan e assim sucessivamente, fiz-me entender ?

kisondra: sim, stor.

professor: ainda bem então. vá, façam uma roda.

dito isto, sussurrou algo ao ouvido da anna, após ela fazer isso à payton é que percebi que iria ter que sussurrar ao ouvido do justin, Deus estava mesmo do meu lado e contra a outra loira. chegou a minha vez, a palavra era "geforce", teria que a dizer ao justin.

eu: amo-te. - sussurrei-lhe ao ouvido.

ele arrepiou-se todo, e olhou para mim com uma cara surpreendida, eu sorri-lhe e mordi o lábio, ele ficou sem dizer nada.

professor: algum problema justin ?

ele: apenas não percebi o que a caitlin me disse stor.

professor: repete-lhe se fizeres esse favor caitlin.

eu: está bem.

a turma toda estava a olhar para nós, encostei-me ao ouvido dele e sussurrei-lhe:

eu: não vou desistir de ti, a menos que me peças isso. - rocei o meu nariz à sua orelha, o que o fez arrepiar-se todo: hãn, e a palavra é 'geforce'.

ele ficou sem reacção, mas logo de seguida prosseguiu o jogo. a minha sorte foi ter o cabelo cumprido e esse conseguir tapar, o facto de eu ter roçado o meu nariz à sua orelha, se não, estava mesmo feita.

voltou-se a repetir, e agora a palavra era 'composto'.

eu: imaginas a quantidade de saudades que tive tuas, neste tempo todo ?

kisondra: fogo stor, a palavra é assim tão grande ?

ele: óh stor, ela apenas me está a repetir para ver se eu não caio no erro de não ouvir.

professor: tenta ser mais breve, caitlin.

eu: está bem. - voltei-me para ele - composto. - sussurrei.

voltou a ser a minha vez, a verdade é que estava a gostar de verdade disto, aquilo estava a mexer com ele, e isso era algo que eu queria imenso.

a palavra que era suposto eu dizer era 'nicolas sparks', quando me virei para lhe sussurrar ele riu-se, fiz o mesmo e sussurrei-lhe:

eu: namorado. - suprei de leve ao seu ouvido, o que o fez arrepiar-se todo. - a palavra é nicolas sparks.

eu sabia o quanto ele gostava que eu lhe dissesse aquele nome ao ouvido, ele dizia que era algo que lhe dava segurança e que o fazia ainda querer mais poder beijar-me.

a direcção da roda inverteu, agora iria ser ele a sussurrar alguma coisa, quando chegou a vez dele tremi, nunca mais senti aquela sua voz rouca e baixa no meu ouvido, iria ser a primeira vez após seis meses.

ele: nunca te iria pedir isso. - sussurrou-me.

eu: o quê ?

professor: algum problema, caitlin ?

eu: não percebi o que ele disse stor.

brit: fogo, vocês os dois devem andar moucos.

eu: eu preferia antes ser cega, assim não tinha que ver essa tua fronha.

professor: caitlin !

eu: desculpe stor.

professor: repete se fizeres favor, justin.

ele: claro stor. - voltou a encostar a boca no meu ouvido - que desistisses de mim, e a palavra é saudade.

arrepiei-me com aquilo, acho que aquilo era o passaporte que eu precisava para poder regressar donde nunca deveria ter saído; da sua vida !

 

continua ...

 

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 02:33
| comentar.
47 pintinhos piu:
De carolina lewis a 2 de Novembro de 2010 às 10:11
amei tantoooooooooooo *-*
beijinho.
De »Andry Agrelα.* a 2 de Novembro de 2010 às 10:36
rapariga cada capitulo e melhor do que outro *-*
beijinho..
De Leonor ♥ a 2 de Novembro de 2010 às 11:30
Adorei!!!
Beijinhos
De C;soares:O a 2 de Novembro de 2010 às 17:16
Boe bonito :D
De Juh... a 2 de Novembro de 2010 às 17:56
lindooooooooo posta logooooooooo
De Ana Silva ♥ a 2 de Novembro de 2010 às 17:56
AMEIIIII $:
De Carina Soares a 2 de Novembro de 2010 às 18:02
ESTÁ PERFEITA, AMO AMO AMO! POSTA MAIS
E olha que eu não gosto do bieber o.o
De Anna Sonhadora M. a 2 de Novembro de 2010 às 18:33
Woww*.*
Lindo lindo...
Ai adoro a atitude dela
Quero mais+.+
Beijinho
De Anna Sonhadora M. a 2 de Novembro de 2010 às 18:36
Coitado nada ele merece...
Muahahahah+.+
Beijinho
De dans a 2 de Novembro de 2010 às 18:38
mais mais mais *.*
eu não gosto nada do justin bieber e estou totalmente presa à fic ahah. continua *.*

comentar.