The Only Exception
Domingo, 10 de Outubro de 2010

capítulo 8. ❤ (2)

queria agradecer à dádá, pelos 51 comentários. <3

eu estava com as costas encostadas a um armário, com os meus braços em volta do pescoço dele, enquanto ele estava encostado a mim, com uma mão na minha cabeça, que fazia movimentos circulares, deixando-me assim despenteada, e com a outra mão segurava-me a cintura, a língua dele parecia estar a querer decorar cada canto da minha boca, coisa que a minha estava ansiosa também para o fazer. no beijo dele conseguia sentir mil e uma emoção, conseguia sentir a sua segurança, o cuidado que ele estava a ter comigo, o carinho com que a boca dele sentia ao estar colada à minha, o seu medo por aquilo ter que acabar, a sua surpresa por estar assim comigo, a sua confusão por não conseguir parar aquilo, mas acima de tudo, sentia verdade naquele beijo, não sabia se era impressão minha, ou não, mas a verdade é que parecia que ele gostava de mim, não o podia confirmar, pois ele nunca me tinha dito, mas naquele momento não consegui concentrar-me em mais nada, se não naquele momento, no momento em que ele me estava a beijar, no momento em que eu estava realmente feliz e segura.

(vou fazer uma coisa inédita; vou por os pensamentos do justin. vou começar a faze-lo, mas só nos momentos mais importantes.)

- justin.

não fazia a mínima ideia do que estava a acontecer, mas a verdade é que estava a gostar e muito, estava a gostar de lhe poder tocar, de a poder beijar, de sentir o seu cheiro, de poder olhar-lhe nos olhos e ter a noção que a mente dela está só a pensar em mim.

o beijo dela era diferente, transmitia-me imensas sensações e sentimentos, coisa que me assustava, porque eu não devia de estar a gostar tanto disto, aliás eu não devia de estar a beija-la neste momento, mas era inevitável, a boca dela atraía a minha, como se fosse um íman, como se só estivesse completo sentindo os seus lábios, a explorar cada canto da sua boca, como só fosse totalmente feliz ao poder tocar-lhe, ao sentir a sua pele, o seu cheiro e saber que ela estava a sentir o mesmo, era algo que deserta forma me agradava.

ela: não devíamos.- disse ofegante separando o beijo.

eu: tu queres ?

ela: não me faças perguntas difíceis. - mordeu o lábio.

eu: isto é muito simples, tu é que estás a tornar as coisas complicadas.

ela: isto está errado.

eu: tens razão.

ela: tenho ? - arqueou a sobrancelha.

eu: sim, não devíamos estar a falar, mas sim a beijar. - beijei-a.

ela: justin ! - disse debatendo-se entre o beijo.

agarrei-a com mais força na cintura, puxando-a mais para mim e elevando-a mais, nesse momento ela parou logo de tentar separar o beijo e pôs os braços no meu pescoço, hábito que ela tinha e que eu gostava, nunca gostei desse gesto, sempre o achei desconfortante, mas com ela era diferente, a maneira como ela o fazia era diferente, só me fazia querer ainda mais tê-la perto de mim.

empregada: o quê que estão aqui a fazer ? - interrompeu-nos.

eu: eu estou a treinar para dentista e ela para paciente.

pergunta estúpida, a mulher viu-nos aos beijos, o quê que ela achava que estávamos a fazer ? jogar monopólio ?! a cate não se controlou e riu-se, a empregada também, dizendo-nos apenas que era melhor sairmos dali e voltarmos para o nosso grupo, acenamos os dois e fomos.

 

- caitlin.

juntamos-nos ao nosso grupo, e ninguém deu pela nossa falta, a payton estava demasiada entretida com o ryan e anna com o jake, só a keana e a brit é que olhavam para mim de lado, certo momento senti medo, as malucas estavam a olhar para mim de uma maneira, que metia medo ao diabo !

stª, brit: quem é que quer ir almoçar ?

anna: voltamos à primaria? - forçou um sorriso.

stª, brit: não anna, mas era bom.

payton: era nada !

stª, estef: porquê ?

payton: eu tinha o cabelo tone e a cara de morango, stora.

começou-se tudo a rir.

eu: ela tem razão, tinha mesmo ! - ri-me.

payton: - olhou-me de lado - pior eras tu que costumavas andar tipo arvore de natal, cheia de laços no cabelo e vestidos com folhinhos. - sorriu cinicamente.

eu: realmente ! mas dá lá um desconto, porque o teu irmão era pior.

ele: só faltava, sobra sempre para mim.

eu: óh tadinho. - disse com voz de bebé e apertando-lhe as bochechas.

ele: se não queres que te beije neste momento, aconselho-te a afastares-te agora. - sussurrou.

eu: ui, gostas-te assim tanto do meu beijo para o quereres repetir ? - sussurrei e mordi os lábios.

keana: eca stora, eles são irmãos e estão quase a beijar-se !

eu/ele: nós não somos irmãos.

brit: já falam em conjunto ?

stª, brit: vamos lá comer, antes que isto dê para o torto. - toda a gente a seguiu.

fomos para a camioneta, e logo de seguida paramos num restaurante, pedimos o que queríamos. eu continuava a ser ameaçada pelos olhares da keana e da brit, a anna ao aperceber-se disso, começou com bocas.

anna: a vossa sorte, é que estamos quase no natal, e as promoções na múltióptica estão quase a chegar.

keana: mas o quê que tu queres?! estava alguém a olhar para ti, por acaso ?

anna: estavas a olhar para a cate, logo é a mesma coisa.

brit: caitlin e savannah, não são parecidos, logo num vejo onde é que é a mesma coisa.

anna: num vês ? eu acho que para o que olhavas para a cate, devias mesmo ser cega, estavas a tentar ver a cara dela direito, num era ? - esforçou um sorriso.

stª, brit: mas será que vocês não sabem comportar-se ?

keana: é a parva da anna, que está sempre a implicar.

anna: é a keana que ainda não aceitou que o justin não quer rigorosamente nada com ela, e nunca quis, para além de um divertimento, ela não serviu para mais nada ! - gritou.

keana: é verdade isto, justin ? - olhou para ele quase a chorar.

ele entalou-se ao perceber que tinha sobrado para ele. naquele momento fiquei com pena da keana, o justin pareceu sentir o mesmo.

ele: não me metam nisso, por favor.

keana: já vi que a resposta é sim. - levantou-se arrastando a cadeira e saiu do restaurante a correr e a chorar.

o jake, a kisondra e a sasha foram atrás dela, de seguido as storas foram ter com ela.

brit: és tão porco, que não acredito como é que me pude interessar por ti.

ele: olha que lata meu ! eu lá fiz alguma coisa ? - ripostou.

brit: fizeste ! andas-te a iludir as raparigas.

ele: eu ?! por amor de Deus, não me culpes por elas quererem algo comigo, eu não obrigo ninguém, nem lhes dou falsas esperanças.

brit: comigo deste !

ele: dei ?! fiz de tudo para me afastar de ti, até inventei namorar com a anna, para não vires mais ter comigo e dei-te falsas esperanças ?! alguém te manda criar esperanças, sozinha ?! eu por acaso alguma vez te disse 'brit, acho que gosto de ti'? não, nunca o fiz, portanto.

brit: por vezes, os gestos dão mais esperanças que as palavras.

ninguém dizia nada, só olhava para eles, espantados e interessados na conversa, ou melhor, na discussão.

ele: oblá, eu não tenho culpa que não saibas distinguir uma curte de uma paixão, ou de um relacionamento sério !

brit: quer dizer que não passei de uma curte para ti ?! daquelas que se têm e que se esquecem ?

eu: não, tu passas-te mais que isso, passas-te a ser o motivo de uma luta dele. - sorri secamente.

brit: hãn ? lutas-te com quem ?

ele: teu namorado.

brit: mas eu nem sequer namoro.

eu: estás a fazer tanto espectáculo, namorando.

não consegui ficar calada, aquela tipa estava-me a meter bastante nojo com aquela conversa de coitadinha !

brit: tu cala-te, que ninguém falou contigo ! deves estar toda feliz, vendo a keana naquele estado e vendo a minha discussão com ele.

eu: e eu estaria feliz com isso, porquê ?!

brit: gostas dele ! mas não te iludas, não vais passar de uma curte, também !

ele: não fales assim com ela.

tanto eu como a brit, e os restantes que estavam a assistir a tudo, ficamos chocados por ele me ter defendido.

brit: estás a defende-la, porquê ? ela beija assim tão bem, para quereres mais ?

payton: mais ?!

brit: sim mais, a tua querida melhor amiga e o teu querido irmão, já andaram a curtir, aliás ainda à pouco o estiveram a fazer, ou vocês pensam que nem eu, nem a keana reparamos que vocês saíram e entraram juntos ?

eu: e o quê que o cu tem a ver com as calças, miúda ?! isso não significa que estivemos juntos, quanto mais aos beijos !

ele: realmente, entre nós não aconteceu nada.

brit: óh jura !

ele: mas eu lá tenho que jurar alguma coisa ?

brit: vês como estás a mentir ?

ele: não, simplesmente nem eu, nem a cate te devemos explicações.

anna: apoiado ! e agora loirinha, como já deste o teu espectaculozinho, podes-te sentar toda enfonada, e continuares a comer, que as storas vêm aí e eu acho que não queres arranjar mais problemas.

stª, bri: pronto, a keana está mais calma. - sorriu.

anna: uuh, que entusiasmo.

payton: anna. - deu-lhe uma cotovelada.

anna: óh, pronto. - revirou os olhos.

a brit estava com uma cara de meter medo, ao bin laden ! a keana nem sequer olhava para o justin, decerta forma o justin ficou afectado com o que aconteceu à keana, a anna continuava a ter trocas de olhares, enfurecedores com a kisondra, e escusado será dizer que a payton e o ryan estavam no maior clima. fui enterrompida pelo toque do meu telemovel, decidi pegar nele e quando vi quem me ligava quase tive um treco ! era a minha tia erin.

eu: stora, a minha tia esta-me a ligar, posso ir atender ?

stª, bri: claro, vai lá. - sorriu.

eu: obrigado - levantei-me e saí - diga tia. - atendi o telemovel.

erin: então princesa, como está ?

eu: estou bem, e a tia ?

erin: óptima, o seu tio trouxe-me agora um casaco de peles de paris, magnifico !

eu: mas tia, ainda estamos no verão.

erin: e depois querida ? o seu tio é um fofo e sabe bem o que eu gosto, e também a menina sabe o quanto eu adoro receber prendas, ainda mais com bom gosto.

eu: sim, sei tia.

se havia algo que eu sabia dela, era isso ! aquela mulher era futil que se fartava, e para não falar o quanto adorava ser elogiada. eu até gostava dela, mas havia vezes que só me apetecia mata-la.

erin: bem querida, eu não lhe liguei para isso.

eu: então tia ?

erin: eu vou fazer uma festa de anos, em homenagem à mimi e queria saber se a menina queria vir.

para quem não sabe a mim, era a gata dela !

eu: é uma gata tia.

erin: não diga isso que ela pode ouvir, a mim não é só uma gata, faz parte da familia. - guinchou.

eu: pronto, pronto.

erin: mas vem ?

eu: tia, eu posso ir, mas não sei se sabe mas eu agora partilho a casa com a payton e com o justin ... - fui interrompida.

erin: o justin não é aquele menino muito girinho por quem a menina tem uma paixoneta ?

eu: tia ! eu não tenho nenhuma paixoneta por ele.

erin: sim, sim. mas não há problema, vem a menina e os seus amiguinhos.

eu: a sério ?

erin: sim, e não se esqueça de avisar o christian.

eu: está bem, então.

erin: amanhã, não se esqueça.

eu: a que horas ?

erin: não se preocupe com isso querida, a tia manda-lhe o motorista a buscar.

eu: está bem.

erin: a menina não se esqueça de se arranjar.

eu: claro que não.

erin: nem os seus amiguinhos.

eu: está bem tia, não se preocupe.

erin: então vá, beijinhos, que agora eu tenho que ir ao spa, que estou super stressada.

eu: até amanhã tia.- desliguei a chamada.

stressada ?! a mulher não faz nada e está stressada. fui para dentro.

eu: amanhã, temos uma festa.

ele: onde ?

eu: casa da minha tia.

payton: da erin ?

eu: sim.

payton: ai que bom, eu adoro-a, tem um gosto que me lea às nuvens.

ele: eu tenho medo dela, a mulher é assustadora. - arqueou a sobrancelha.

eu: - ri-me - óh, ela até gosta de ti. - ri-me.

payton: a festa é sobre o quê ?

eu: para a mimi.

ele: mimi, a gata ?

eu: sim. - ri-me.

ele: matem-me, por favor ! - inclinou-se para trás e apertou ligeiramente o pescoço.

payton: que lindo, vamos às compras amanhã.

ele: divirtam-se.

payton: tu também vens !

ele: quê ? - gritou.

ficou tudo a olhar.

eu: foi emoção momento pessoal. - ri-me.

payton: nem reclames, vai ser uma festa glamorosa, vais ter que te por todo bonito.

ele: eu já sou.

payton: mas um bonito, com estilo e charme.

ele: eu já tenho isso tudo.

payton: não em suficiente.

ele: achas que eu não sou bonito, nem charmoso cate ? - ficou a olhar para mim.

eu: não, mas acho que te podes arranjar melhor. - fiz-lhe uma careta.

ele: - inclinou-se - sabes o quanto eu gosto dessa tua lingua ? - sussurrou-me.

eu fiquei sem reacção e provavelmente toda vermelha, ele riu-se ao ver a minha reacção.

payton: está decidido, amanhã vamos todos ao shopping.

eu: falta avisarmos o chris. - disse ainda com cara de parva.

payton quando chegarmos a casa trata-se disso.

ele: mas ... - foi interrompido.

payton: não há mas, nem meio mas. - olhou de lado.

ele: afff, sais mesmo à mãe. - revirou os olhos.

payton: ipp. - guinchou e deu um saltinho na cadeira e bateu palmas.

 

continua ...

 

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 20:40
| comentar.
21 pintinhos piu:
De carolina lewis a 10 de Outubro de 2010 às 23:01
amei amei amei ! :o
beijinho :)
De lex a 10 de Outubro de 2010 às 23:23
Sim, tens razão. Deve ser mesmo o único
De D. a 10 de Outubro de 2010 às 23:55
AIII , amei , completamente :o
De D. a 10 de Outubro de 2010 às 23:56
juro , q o capitúlo q gosteei mais , até agora , foi este *-*
De D. a 10 de Outubro de 2010 às 23:57
os comentários do justin , mataram tudo , aha (x
De D. a 11 de Outubro de 2010 às 00:01
amanhã , e como agradecimento deste capitúlo , venho fazer 25 comments +.+
De Catie ♥ a 11 de Outubro de 2010 às 16:31
adoreiiii (:
Quero mais urgentemente !
De Ana Silva ♥ a 11 de Outubro de 2010 às 17:32
uma festa para a GATA? hey morri xDDD
aquel justin e a cat omb *-*
De - huun a 11 de Outubro de 2010 às 19:11
oh oh oh oh oh *-*
eu cada vez gosto mais disto fogo *.*
cada vez que leio fico ainda mais apaixonada pelo meu T :$
ai adoro e quero mais, sabes bem <3
De Bed Of Roses a 11 de Outubro de 2010 às 19:50
Tenho um novo perfil. Espero que gostes e que dês a tua opinião;


Gostei do teu blog :) beijinhos

comentar.