The Only Exception
Domingo, 4 de Março de 2012

ss - décimo quinto. ♥

vocês são as melhores *andrade orgulhosa* fico imensamente feliz por gostarem assim tanto da minha fic  decidi continuar com a fic. :p  

fui acordada com um grito tão grave que pude concluir de quem era: ruth. ela nunca teve muito jeito para gritos histéricos, para ela era tudo à bruta, principalmente acordar pessoas. levantei-me frustrada pela noite mal dormida, tinha realmente sido uma noite para esquecer. retirei a camisola do pijama, vestindo assim a roupa que tinha escolhido na noite passada - sim, ficar sem sono podia dar nisso. caminhei até à casa de banho lavando a cara e acabando por prender o cabelo numa trança de lado. como já era costume, encontrava-me sozinha na camarata. adorava o companheirismo que as minhas supostas amigas nutriam, a sério que sim. saí do quarto dirigindo-me para o refeitório. 

ouvi uma voz muito bem conhecida, o que fez o meu corpo parar completamente e ter uma descarga de energia. eu estava-lhe com ódio e à primeira palavra que pusesse em causa a minha honra, eu arrancaria-lhe os cabelos, sem pensar duas vezes ou ter em conta o local onde me encontrava. 

eu: o quê que queres, cenoura? - falei assim que se colocou à minha frente.

maja: saber como é perder outro rapaz, para alguém - provocou, sempre com o seu sorriso triunfante no rosto.

eu: não sei, diz-me tu - esbocei um sorriso identico ao dela - primeiro foi o tyler, deu-te para trás e veio atrás de mim, começando assim a ser meu namorado, depois foi o eric que nem sequer ousou pensar duas vezes, para te dizer que jamais teria alguma alguma coisa contigo e que era a ruth que queria e agora o justin, que mais uma vez me preferiu a mim do que a ti.

maja: preferiu-te a ti? ele namora comigo, coisa branquela - insistiu com a mentira.

eu: prefere-te a ti, é? - soltei uma gargalha bastante estridente, vazia de qualquer humor - estamos a falar do mesmo rapaz que à cerca de uma semana me beijou? o mesmo que disse que não tinha nada contigo e que era meu? sim, realmente preferiu-te a ti - o meu sorriso provocador fez com que ela rosna-se de nervos.

maja: mentirosa! - gritou, o que fez com que me risse - ele não quer mais saber de ti.

eu: claro que não, tanto que quando viu que eu estava a chorar saiu do quarto e veio ter comigo, abraçando-me.

maja: nós beijamo-nos e sabes o quê que ele disse? que não sabia como é que tinha esperado tanto tempo por aquilo, visto que era muito melhor que o teu - não conseguia decifrar a sua expressão, aquilo seria ou não verdade?

eu: claro, e isso aconteceu quando? antes ou depois do despertador ter começado a tocar?

maja: na altura em que o tyler vos apanhou juntos - falou determinada a magoar-me - ele estava a sangrar e eu vi-o a sair da camarata, ofereci-lhe ajuda e ele aceitou, depois de o levar à enfermaria e lhe tratar do rosto, ele beijou-me como agradecimento, depois disso começamos a estar os dias todos juntos, como verdadeiros namorados.

eu: com uma imaginação assim, não sei como é que a stephenie mayer teve mais sucesso que tu - ela sabia demasiado pormenores para ser mentira, o que me estava a custar era como é que ela soube da cena do tyler, do justin ter sangrado do nariz e saído da camarata, momentos depois. 

teria ela ficado a espiar? impossível, estava mau tempo para isso. ela não tinha como saber que eu lá estava e que fomos apanhados, visto que o tyler só chegou muito tempo depois de mim. a única explicação era que ela dizia a verdade, daí o justin não ter negado nada quando os boatos sobre o seu suposto envolvimento com ela surgiram.

maja: sabes tão bem quanto eu que estou a dizer a verdade, por mais que te esteja a custar, tu acreditas em mim - garantiu-se, dando-me uma vontade tremenda de lhe rebentar a cara de pastel de nata.

eu: eu ainda não percebi se isso tudo é porque realmente és infeliz e queres ver os outros iguais ou apenas porque não tens vida - tentei mudar de assunto, eu não tinha como duvidar dela.

maja: tentar alertar-te para a realidade é ser infeliz ou não ter vida própria? - começou a mexer no seu puxo - mais infeliz és tu caitlin, és enganada, foges e depois de tudo ainda cedes à vontade de o beijar - atirou-me à cara, ela que não fosse por aquele caminho, que sairia obviamente prejudicada - tu não mereces o justin, nem nunca o vais merecer! sabes porquê? porque és cobarde! não lidas com o facto do tyler te ter traído, ter preferido outra a ti... também não o condeno, quem haveria de te preferir a ti? uma rapariga cobarde, que não sabe o que quer. idiota, burra e ridícula, que espera que tudo lhe caia aos pés - gargalhou ironicamente - tu vais perder toda a gente! eles vão perceber quem é a verdadeira e fraca caitlin, a mesma que foi incapaz de lidar com os próprios actos. queres saber de uma coisa? eu não só quero o justin, como quero toda a gente que tens, simplesmente porque tu não mereces nada! és uma infeliz que não valoriza nada e acredita que eu ainda te tirarei tudo, começando pelo justin... até a tua melhor amiga te vai virar as costas, só te vai restar a tua família e somente porque és do mesmo sangue que eles. pessoas estúpidas como tu merecem e acabam sempre sozinhas! - gritou.

não sei o que se passou comigo, mas a verdade é que após ouvir tudo aquilo da sua boca uma onda de energia percorreu o meu corpo, fazendo com que eu pulasse no seu pescoço. a minha mão tomou imensas vezes conta do seu rosto, acabando por lhe puxar o cabelo. o seu corpo fez com que o meu caísse por baixo dela. além de rebolarmos no chão, pontapés, estalos, murros, puxões de cabelo, ferradelas, unhas espetadas, ainda houve espaço para gritos e ameaças. com toda a raiva que tinha acumulada empurrei-a ficando por cima.

eu: atreve-te a tirar-me quem quer que seja, e eu garanto-te que não terás dentes para contar a história - dei-lhe um murro, fazendo-a gemer de dor.

maja: bate o que quiseres, nada mudará o facto de seres uma cobarde - gritou ainda de cara virada.

eu: olha para mim - agarrei-a pelas bochechas, fazendo-a olhar-me nos olhos - até posso ser cobarde, mas é a mim que ele quer. todos os que tu queres, preferem-me a mim otária! - sem saber de onde tinham vindo, senti duas mãos a agarrarem-me e a tirarem-me de cima dela.

maja: veremos! - gritou assim que foi levantada pelo will - tu jamais serás melhor que eu, ao menos eu não me escondo por de trás de nenhuma história, como é o teu caso - debateu-se nos braços do will.

eu: quero lá saber - gritei, recebendo mais um aperto à volta da cintura, quando senti o cheiro dessa pessoa percebi de quem se tratava: justin - tu não és melhor que eu e nunca serás, sabes porquê? porque eu até me posso esconder atrás do que quer que seja, mas ao menos não ando atrás das coisas dos outros! - eu ainda me encontrava irritada e muito.

maja: grande coisa, és traída na mesma - riu-se - nem o tyler aguentou as tuas cenas, traiu-te com a primeira que encontrou. admite, tu só serves para ser usada! - olhou-me de forma desafiadora.

sem saber como me libertei dos braços do justin, cheguei perto dela, quando me preparava para lhe bater, senti outra vez alguém a agarrar-me puxando-me para trás, o que não impediu que eu lhe desse um pontapé.

eu: larga-me tyler! - gritei assim que o vi.

payton: calma cate, olha o espectáculo que vocês armaram - quando olhei à minha volta vi diversas pessoas a olharem-nos, algumas admiradas, outras divertidas.

eu: não quero saber, esta otária é que começou - tentei defender-me.

ruth: já não há mais nada a ver, bazem! - gritou, criando vários murmurinhos. que logo desapareceram juntamente com os respectivos donos. agora éramos só nós 10 - eu, o justin, o tyler, a maja, a payton, o meu irmão, a sophie, a ruth, o will e o eric.

sophie: tu que és a filha da directora devias de dar o exemplo - dirigiu-se à maja, definitivamente ela era a mais racional e pacifica.

maja: eu não deveria dar nada - mais uma vez a sua arrogância predominou - e tu larga-me - referiu-se ao will - achas mesmo que lhe vou fazer alguma coisa?

payton: ai não fazes não - veio em minha defesa.

maja: deixa de ser intrometida, este assunto é entre mim e a escanzelada da caitlin.

eu: escanzelada é a tua mãe e mesmo assim conseguiu casar-se! - gritei.

ele: já chega! - manifestou-se, assustando-nos a todos - a brincadeira acabou. will leva a maja até à enfermaria, que bem precisa - reparou no estrago que tinha feito à sua cara e ao seu corpo - e tu tyler, leva a caitlin para a camarata das raparigas para se acalmar e arranjar, visto não ter nada mais que uns arranhões - olhou sério para os outros - e nós vamos voltar para não dar mais estrilho, tivemos muita sorte de os monitores não terem ouvido nada! - ordenou, ao que todos obedeceram.

porquê que tinha que ser o tyler a tratar de mim? porquê que não se tinha oferecido ele? teria desistido de mim? o que eu mais odiava era ter duvidas, mas com o justin só me restava isso. duvidas e mais duvidas... certezas que são boas, nada. fui levada para a camarata, sem nunca pronunciar nada.

tyler: vai lá lavar a cara - falou assim que chegamos.

nao disse nada, não era a ele que eu queria ali. aliás, eu já não queria mais nada dele. apenas queria o loiro ciumento, irónico e implicativo, que sempre esteve presente para me apoiar, que sempre me fez sentir desejada e segura. eu queria o justin ali, só para mim.

obedeci ao que ele disse, retirando o sangue dos dois arranhões que tinha na cara, um na testa e outro na bochecha. limpei o que tinha no pescoço e os pequenos cortes das unhas dela no meu braço esquerdo. realmente comparada com ela, eu não estava nada mal. arranjei o cabelo, soltando-o da trança. escovei-o e deixei-o solto. quando saí da casa de banho pude perceber que ele ainda se encontrava lá.

tyler: sempre lutas-te como um homem - sorriu assim que terminou a frase.

eu: obrigado - fui seca, eu não queria ter que levar com ele, não hoje.

tyler: o quê que achas que acontecerá no dia 10 de Setembro?

eu: hmm? - perguntei confusa, o quê que iria acontecer nesse dia?

tyler: o acampamento acaba nesse dia - esclareceu-me - o justin vai voltar para a sua cidade e tu para a tua.

eu: sim, e o quê que isso interessa? - não estava mesmo a perceber onde é que ele queria chegar.

tyler: o quê que achas que vos acontecerá? acreditas mesmo que vão conseguir manter alguma coisa em cidades diferentes? mais de meio ano separados? és assim tão crente, caitlin? - ele tinha razão, mais uma vez.

eu: não sei o quê que tu tens a ver com isso, mas está bem - sim, eu era sempre rude quando queria demonstrar que algo não me afectava e tinha intuito de mudar de assunto.

tyler: tenho, porque quer gostes, quer não, eu amo-te - fitou-me serio - ele vai-te abandonar.

eu: assim como tu fizeste? - esbocei um sorriso frio.

tyler: não, pior - massajou a cana do nariz - eu abandonei-te, mas vim atrás de ti, admiti o meu erro e continuei a lutar pelo que queria, tu. ele apenas irá abandonar-te, arranjar outra e ignorar a brincadeira que tiveram neste verão.

eu: tu sempre gostas-te de me magoar, não foi?

tyler: não, eu apenas quero que tu acordes para a realidade - levantou-se da cama - ele não é, nem nunca será rapaz para ti. o justin não se envolve seriamente com ninguém e tu vais perceber isso, vai ser tarde, mas vais perceber - caminhou até à porta - espero que melhores e controles o teu temperamento - sorriu e saiu, deixando-me ali sozinha, sem saber o que dizer ou pensar. ele de certa forma tinha razão.

por mais que me custasse admitir, eu iria separar-me dele depois do fim do acampamento. 9 meses separados, seria definitivamente impossível de manter o que quer que fosse. eu não acreditava em relacionamentos à distância e muito menos em sentimentos eternos. basicamente, de uma forma ou de outra, eu iria perder o justin. valeria mesmo a pena lutar por algo que iria acabar, muito antes de começar? valeria lutar pelos meus sentimentos, quando sabia que não me ia levar a lado nenhum? eu já não sabia nada. 

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 19:15
| comentar.
51 pintinhos piu:
De *B* a 4 de Março de 2012 às 19:23
está perfeito mesmo muito
bjs
De inês silva- a 4 de Março de 2012 às 19:40
quero ler o restooo *-*
De Joana♥ a 4 de Março de 2012 às 20:02
Simplesmente Lindo, Magnífico e Perfeito!
Continua e posta rápido!
bjs
De Ana Silva ♥ a 4 de Março de 2012 às 22:07
; Graças a deus que não acabas-te com a Fic :c
, mais uma vez, esta lindoo, apesar de eu não andar a curtir a cena do Justin ( lá pó urso u.u)
De Dih'h ❁ a 5 de Março de 2012 às 18:19
Nós e' q te deixamos orgulhosa?
Desculpa, mas estás errada, completamente!
Tu e' q nos deixas orgulhosa por escreveres uma história assim, porque isto não e' só uma fic, é uma história, talvez um pouco mais q isso...
Escreves de uma maneira *especial*.
Adorei o cap., foi pena ter sido curtinho x)
Quero mt mais ^^
Beijinho's
De maggie a 5 de Março de 2012 às 21:01
temos de admitir que o tyler tem razão! :c
De Kelly a 5 de Março de 2012 às 21:07
Ainda bem que decidis-te continuar com a fic , fico mesmo contente ( :
Tu escreves mesmo bem .
: )
De Suzzie a 5 de Março de 2012 às 22:28
Essa Maja da nervos

Continua, estou a adorar a tua fic

Posta rapido ;D
De daniela a 6 de Março de 2012 às 20:04
fight fight fight ahahahahah
o tyler até teve razão (desta vez)
De Suzzie a 7 de Março de 2012 às 15:12
Ahah, apenas levou o que merecia... ;p

De nadaa :D

comentar.