The Only Exception
Quinta-feira, 8 de Setembro de 2011

ss - décimo. ♥

editado a 09/09: PARABÉNS DÁDÁ LINDA, E JÁ AGORA: CAP TEU.

para quem leu o inicio, peço desculpas, mas é que a minha intiligência - ou atenção - foi tanta que em vez de clicar em guardar rascunho, cliquei em publicar. -.-

aviso já que este cap contém conteúdo para maiores de 16 anos - exagero -, após este aviso só lê quem quer. xd

senti o telemóvel a tremer, mesmo sendo mensagem aquele telemóvel tremia bastante, devia ter sido feito na altura do terramoto de lisboa - óh sua parva, nessa altura não havia desse tipo de telemóveis. vês ? é por estas e por outras que os teus pais não gostam de ti. mal a abri senti um certo frio na barriga, talvez na língua portuguesa se classifique como um pressentimento.

quero estar contigo, preciso de sentir que és minha. por favor caitlin, pelo menos hoje. estou à tua espera cá fora, perto do lago. não te demores princesa. amo-te.

não reconheci o número, o que não me impediu de todo ir ver quem a tinha mandado. a minha curiosidade sempre foi imensa, ainda para mais quando se referiam a sentimentos. levantei-me instantaneamente da cama, calçando os chinelos que se encontravam ao meu lado, no chão. observei por uma última vez o telemóvel, acabando por realçar os enormes números que se encontravam no ecrã, 04:03 era a hora que um certo idiota tinha escolhido para me fazer ir lá fora. óh sorte a minha !

fechei a porta atrás de mim, colocando o meu corpo imune ao frio que fazia. a roupa que trazia não era de todo uma boa protecção para o frio.

caminhei até ao lago, acabando por avistar uma sombra a ganhar forma. o meu corpo não teve reacção quando percebi de quem se tratava.

tentei controlar a respiração assim que me brindou com o seu sorriso, os seus olhos caracterizados por um azul brilhante fitaram-me de uma forma que parecia ver-me completamente nua. ele já te tinha visto nua !

eu: o quê que estás aqui a fazer ? - perguntei sem sequer pensar.

tyler: vim ver-te - sorriu novamente - estás tão linda.

eu: sim, e ? - disse com desdém, atá quer dizer primeiro trai-me e depois vem-me ver.

tyler: óh caitlin, não me trates assim.

eu: já foste ao brasil ? é que tem lá um autocarro que te pode levar para o sitio onde eu estou prestes a te mandar. - começava a ficar seriamente irritada com a sua lata.

tyler: fogo caitlin, eu venho aqui para te dizer que não te consegui esquecer e que quero que voltemos a namorar e tu tratas-te assim ? - olhou-me com um ar desapontado - fogo miúda, eu amo-te.

eu: fogo miúdo, eu não quero saber - trocei - acabou tyler.

tyler: só mais uma chance - agarrou-me pela cintura - só te peço isso.

eu: e eu peço que me largues - tentei-me soltar, mas sem êxito algum - volta lá para a delilah e deixa-me em paz.

tyler: com ciúmes ? - esboçou um sorriso - ela foi só uma coisa de momento.

eu: ciúmes ? de ti ? - esforcei o riso - estás louco, só pode.

tyler: não estou, eu sou e por ti - puxou-me para ele, acabando por colar os nossos lábios.

tentei debater-me mas sem efeito algum, ele tinha o dobro da minha força. quando tentou desenvolver o beijo, mordi-lhe a lingua, fazendo-o soltar um gemido e afastar-se logo de mim. talvez tivesse exagerado na força utilizada, pois tinha-o posto a sangrar, mas , ninguém o manda beijar-me à força.

eu: nunca mais repitas a brincadeira - virei costas.

tyler: estás com aquele idiota não é ? - fez-me parar no mesmo instante que disse aquilo.

eu: com quem ? - olhei para trás.

tyler: com quem haveria de ser ? com o idiota do justin.

eu: e o quê que tu tens a ver com isso ? - ergui a sobrancelha esquerda.

tyler: tudo, sou teu ex-namorado !

eu: repete - pedi.

tyler: o quê ?

eu: o que disseste.

tyler: sou teu ex-namorado ? - perguntou confuso.

eu: exacto ! meu ex-namorado, não meu namorado - protestei - ou seja: não tens nada a ver com quem eu ando ou deixo de andar, tens simplesmente que te meter na tua vida e esqueceres a minha !

tyler: mas eu gosto de ti, não entendes ?

eu: tu fazes-me rir - soltei um riso nazalmente - tu lá sabes o que é gostar de alguém ? quem gosta não trai e adivinha ? tu traíste-me, conclusão: não gostas de mim - concluí.

tyler: não, só estava confuso quanto aos meus sentimentos.

eu: deixa de ser idiota, tu não gostas de ninguém para além de ti, e mesmo assim é difícil - olhei-o de cima a baixo com desdém - não sei mesmo o que vi em ti - soltei uma gargalhada irónica.

tyler: tu ainda hás-de vir comer na minha mão - gabou-se.

eu: nem que fosses o único espécime de homem - virei-lhe costas.

tyler: veremos caitlin, veremos - berrou.

nem sequer perdi tempo a olhar para trás, ele não valia a pena. ele tinha-me magoado, tinha-me usado e agora tencionava fazer o mesmo, a única coisa que ele se esqueceu é que eu tinha amor próprio. mesmo ainda sentido algo por ele, não iria de todo confiar na sua palavra. eu precisava de o mínimo de estabilidade e era mais que sabido que do seu lado eu não a iria encontrar e para não referir que qualquer relação se baseava na confiança, e eu ? não tinha nenhuma nele.

eu queria ver o justin, e agora. dirigi-me à sua camarata sem ponderar os riscos, se eu fosse apanhada iria ser morta e em público tipo anos 80. abri a porta com o menor barulho possível, não me podia esquecer que ele partilhava o quarto com mais 3 mongos, um deles meu irmão. a pouca claridade dificultava-me bastante a visão, óh meu pai dai-me uma luzinha ! luzinha, perceberam ? ahahah, ok chega. consegui encontrar a sua cama, óh lá para o rapaz que tinha que dormir mesmo no fundo daquele quarto.

ajoelhei-me no chão, ficando assim à sua altura. balancei-o, numa tentativa de o retirar lá para onde o joão o tinha mando, mas foi uma tentativa falhada. optei por usar as minhas lindas unhas, espetando-as na sua perna que se encontrava por cima do cobertor. com um simples toque - ou não tão simples - o rapaz gritou, é isso diz a toda a gente que eu aqui estou.

eu: shhh - tapei-lhe a boca - deixa de ser uma florzinha !

ele: fogo ! - gemeu ainda com a minha mão sobre a sua boca - o quê que estás aqui a fazer ? - perguntou assim que retirei a minha mão, deixando a sua boca imensamente apetecível, destapada.

eu: lembraste de dizeres que ias estar sempre preparado para me ajudar ?

ele: sim - respondeu após pensar um bocado - o quê que tem isso a ver ?

eu: o tyler voltou, beijou-me e eu não sei o que fazer - lamentei-me.

ele: esse idiota está aqui ? espera, ele beijou-te ? há cães com sorte ! - fez-me rir imensamente com o seu comentário, era disto que eu precisa: de atenção, de carinho, de compreensão e acima de tudo de um ombro amigo e eu sabia que o iria ter ali.

ele: mas estás a pensar voltar para ele ? - perguntou quase num sussurro.

eu: não - disse o mais rápido que consegui - eu não quero mais nada com ele.

ele: mexeu contigo, não foi ? - olhou-me nos olhos.

eu: mais do que eu estava à espera - baixei na cabeça - eu não deveria estar a falar sobre isto contigo.

ele: psst - levantou-me a cabeça - claro que devias, eu acima de tudo sou teu amigo.

eu: sinto-me uma idiota - suspirei.

ele: e és - riu-se - anda cá, deita-te aqui - bateu com a mão na cama, seguidamente desviou o seu corpo para a ponta do lado direito, dando-me assim espaço para depositar lá o meu corpo.

fiz o que ele me pediu, levantei-me e retirei os chinelos, acabando por me deitar ao seu lado. virei-me de frente para ele, sendo assim coberta pelo edredão verde que antes só o tapava a ele. nada dissemos, só aproveitamos o momento.

começou a acariciar-me o rosto, fazendo-me fechar os olhos. nunca o tyler iria conseguir ser tão carinhoso como o justin era comigo, nunca me iria sentir tão bem ao seu lado. não que fosse mau namorado, mas é que o romantismo e a delicadeza nunca constaram no seu dicionário, quanto mais no nosso relacionamento. claro que ele não era insensível, mas a sua maneira de lidar comigo era um pouco desligada. senti-me estúpida por ter recorrido ao justin depois do tyler, mas foi algo instintivo, quase impensável. eu ficava assim quando algo irreal me acontecia: irracional.

a sua outra mão tomou posse da minha perna, acariciando-a. enquanto o fazia um sorriso nada inocente brindava o seu rosto, ele sabia bem o que estava a fazer, todos os seus passos eram planeados, tudo nele era pensado. nunca deixava nada acontecer por si só, tinha que ter o controlo da situação para nunca ter que reagir de uma forma que nem ele mesmo soubesse.

mordi o lábio inferior, assim que senti a sua mão a subir cada vez mais. assim que encontraram o pedaço de tecido que tanto ansiavam encontrar, conseguiu encontrar o local certo para se meter por dentro.

eu: pára - disse fraca, agarrando a sua mão - não estamos sozinhos.

ele: não quero - disse contrariando o meu pedido, acabando por me penetrar com dois dedos.

por mais que quisesse evitar alguma coisa por estar ali, não tinha como. era impossível resistir-lhe, os seus movimentos começaram a ser um pouco mais rápido, originando pequenos gemidos vindos da minha boca. numa tentativa de os calar, ele beijou-me. foi um beijo sôfrego, parecia que mais do que nunca as nossas boca precisavam estar juntas, e porquê contrariar tal pedido feito pelo meu corpo ? era um beijo desajeitado, mas com um toque de perfeição, era diferente dos outros, mas ao mesmo tempo eu conhecia-o bem. os seus dedos eram seguros em cada movimento, o vai e vem feitos por eles eram meticulosamente bem controlados, o que me fazia cada vez mais entrar em puro êxtase.

eu: se eles acordam estás feito - mais uma vez a minha voz demostrava a minha fraqueza.

ele: se gemeres mais baixo ninguém acorda - contornou os meus lábios com a sua língua.

eu: não consigo - suspirei - eu preciso de ti, agora - disse num gemido.

ele: então e o medo deles acordarem ? - provocou-me.

eu: pensasses nisso antes - ripostei - ou paras ou avanças.

ele: então páro - sorriu-me vitorioso, retirando os seus dedos de dentro de mim.

eu: então ?  estás parvo ? - reclamei.

ele: eu disse que irias querer e não irias ter - riu-se - agora quem fica na vontade és tu.

eu: se eu fosse a ti não acreditaria nisso - disse ainda indignada pela sua lata.

empurrei-o, fazendo deitar-se por completo na cama. coloquei a minha perna direita sobre a cama, ficando assim de joelhos sobre o seu corpo claro, só coberto por uns simples boxers. inclinei-me sobre o seu peito, chegando à sua boca. comecei por simples toques, no ritmo de colar e retirar. desci a boca até ao seu pescoço, onde pude observar a marca que nele fazia a diferença, a claridade já começava a dar o ar da sua graça, depositei-lhe pequenos beijos pelo pescoço, acabando por construir um pequeno trilho. ergui a cabeça olhando-o nos olhos, ele tentava resistir-me mas notava-se que a sua tentativa estava a ser sem êxito, todo o seu corpo dava a confirmação de que ele queria que eu continuasse. sorri perante a sua excitação, já era meu, quisesse ou não. voltei a colar os nossos lábios, não iria fazer mais nada até ele tomar a iniciativa, o que durou pouquíssimo tempo. logo tratou de me puxar, começando assim um beijo esfomeado e cheio de desejo.

levei a minha mão sobre o seu peito, começando assim por o marcar com as minhas unhas. o beijo era interrompido por pequenos gemidos da sua parte, ora de dor, ora de prazer. fui descendo cada vez mais a mão, chegando onde eu queria.

os seus boxers cinzentos tornavam-se demasiado apertados para tamanha excitação, numa tentativa de o provocar acabei por o apertar, fazendo-o soltar um gemido longo e alto, que foi logo abafado pelos meus lábios.

afastei-me da sua boca, no meu rosto nasceu um sorriso totalmente provocador. levantei-me de cima dele, e saí de cima da cama.

ele: o quê que te deu ? - perguntou visivelmente surpreendido.

eu: agora quem recusa sou eu - dei uma de ombros - sorry bieber, mas ninguém te mandou jogar comigo numa altura destas - virei costas e saí daquele quarto, quando cheguei cá fora puder observar que o sol já estava a nascer. mordi o lábio inferior, ele era definitivamente algo que eu teria que ter.

quando me preparava para descer as escadas, percebi que não tinha os chinelos. óh minha nossa, karma is a bitch ! abri a porta, esboçando um sorriso totalmente inocente. aproximei-me dele e peguei nos chinelos.

eu: esqueci-me disto - ri-me - até amanhã.

preparava-me para sair quando ele me puxou, colocando-me entre a parede e o seu corpo. estava totalmente prensada na parede, se antes conseguia sentir o quão ele estava excitado agora parecia eu a estar assim de tão próximos que estávamos.

ele: vais-me deixar assim ? - apontou para as suas partes intimas.

eu: é essa a ideia - sorri - ninguém te mandou brincares comigo.

ele: mas eu depois dei parte fraca, também podias fazer o mesmo - reclamou - por favor caitlin, não me deixes neste estado.

eu: desculpa meu amor, mas a tua vez passou - sorri vitoriosa - mas sempre podes recorrer a um banho bem frio ou então as revistas fofas que o teu pai tanto gosta de coleccionar - inclinei a cabeça, depositando-lhe um pequeno beijo nos lábios - tens que começar a pensar no dizes ou fazes, porque como jogo que isto é, um único deslize e podes perder.

ele: não perco, isso eu tenho a certeza - gabou-se.

eu: hoje perdeste - ripostei - bem e eu agora vou indo que já está a amanhecer, até logo bieber - afastei-o de mim - boa sorte com isso - ri-me e virei costas, acabando por sair ao som da sua respiração pesada e do seu olhar irritado. desculpa, mas se era para jogar, eu joguei ... e ganhei.

 explicação daquilo do tyler já ter ido ao brasil, aqui

e aqui esta a delilah fofa, com quem o tyler traiu a caitlin.

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 23:12
| comentar.
79 pintinhos piu:
De mariab*♥ a 5 de Setembro de 2011 às 20:41

andrade; diz-me isto é o inicio do tão esperado 10ºcapítulo?
espero que sim; se for estou em "pulgas" para ver o resto.
De ~ raquel. a 5 de Setembro de 2011 às 21:54
oh que giro *.*
De rita mariz. a 5 de Setembro de 2011 às 22:00
só tem até à parte da mensagem ?
De Miriam ∞ a 5 de Setembro de 2011 às 23:13
então quero capitulo :c
De Liliana Maria a 5 de Setembro de 2011 às 23:30
O Justin é fofinho :D
beijinho
De - Ivânia a 5 de Setembro de 2011 às 23:38
Aconteceu-me algo parecido hoje ..
a mensagem que recebi não era tão querida como a tua, mas quando o telemóvel começou a vibrar tive um pressentimento e pumba, tinha tudo a ver com a mensagem!
De Do not go away ♥ a 6 de Setembro de 2011 às 15:55
Eih, eu gosto muito da tua fic!
Tens bue imaginaçao.


Eu tenhu uma pergunta a fazer! Como é que tu metes a palavra e qando se carrega consegue se o link e a imagem??


Podes me dizer??


Eu tambem tenho uma fic, se quiseres ir la ver estas a vontade :p
De mariab*♥ a 6 de Setembro de 2011 às 19:57

isto é o inicio do capitulo?
besos
De Liliana Maria a 8 de Setembro de 2011 às 23:36
adorei o autocarro *.*
beijinho
De petra. a 8 de Setembro de 2011 às 23:46
ai, como eu amei este capitulo.

comentar.