The Only Exception
Sábado, 30 de Julho de 2011

ss - sétimo. ♥

acabei de jantar e decidi ir logo tomar banho, não queria que a digestão começasse. tinha ainda amor à vida. decidi não me demorar muito no banho, visto que o justin no jantar quase não me deixou comer com a pressa. arranjei-me, acabando por colocar o biquíni tal e qual como ele me pediu, sinceramente o raio do rapaz já estava a exigir de mais. deixei o cabelo solto, colocando a repa para o lado, nada de muito elaborado visto que não ia mesmo sair do acampamento. mal saí do quarto já o tinha à minha espera nas escadas, quando sentiu a minha presença brindou-me com um dos seus sorrisos. ajeitou a franja, e levantou-se.

ele: tanto tempo - reclamou - pensei que fosse preciso um recrimento.

eu: desculpa lá, mas tive que mudar de roupa e tudo.

ele: sinceramente, quando começarmos a namorar vais ter que deixar de usar esses calções tão curtos que tens o hábito de usar.

eu: como ? - perguntei incrédula - namorar ? mas tu estás bem ?

ele: lindamente - riu-se - estava a brincar pimpie.

eu: pimpie ? - esbocei um sorriso totalmente rendido, era fofo e eu gostava.

assentiu com a cabeça e sentou-se numa pedra que estava de frente para o lago, acabei por seguir os mesmos passos que ele. sem sequer se preocupar com a minha opinião, passou-me a mão pela coxa esquerda, fazendo-me vibrar com o seu toque.

ele: és suave - mordeu o lábio inferior.

eu: não sei se já ouviste falar de depilação ou cremes, mas bem, eu costumo usar - ironizei.

ele: ui, tenho medo que apanhes diabetes de tão doce que és - revirou os olhos.

eu: own, que fofo. tu estás preocupado com a minha saúde - ri-me.

ele: as vezes chegas a ser irritante, não dá para falar contigo - olhou-me sério.

eu: há alturas que as palavras atrapalham - provoquei-o.

ele: estás sempre a tempo de agir - sorriu-me - vou dar um mergulho - levantou-se e retirou a t-shirt, ficando somente de chinelos e calções. retirou também os chinelos e foi em direcção ao lago, mergulhando de seguida.

ele exercia confiança em cada sorriso que esboçava, cada palavra proferida era ela também confiante. ele podia até não ser nenhuma daquelas pessoas que nos faz babar ao primeiro momento, mas o certo é que conseguia conquistar sem dificuldade alguma qualquer rapariga que se atravessa-se à sua frente, somente com um olhar. algo que valorizava nele era o facto de não fazer tanto uso da sua beleza, deixando um pouco de rapaz inatingível no ar. era difícil chegar até ele, digo mesmo impossível. não pela sua arrogância, de todo, até porque ele de arrogante não tinha nada. mas sim por ser uma daquelas pessoas que até nós mesmos temos medo de chegar até elas, talvez por insegurança ou até mesmo por burrice, mas o certo é que era assim. nenhuma rapariga consegue resistir ao charme que certos homens têm, e no caso do justin acontecia o mesmo. ele sabia bem como dizer as coisas, sabia bem como atingir a pessoa em questão.

ele: não vens ? - falou alto captando todas as minhas atenções no seu corpo.

eu: não - sorri - só se me vieres cá buscar, e ao colo - tentei parecer credível no que dizia, apesar de estar a ser bastante irónica. mas como se costuma dizer "cuidado com o que desejas".

chegou até mim todo molhado e sem qualquer tipo de problema pegou em mim ao colo, mesmo debatendo-me contra o seu corpo não houve maneira de me soltar. eu iria ser mandada para a água vestida ! sem qualquer tipo de espanto mandou-me à água, ai como eu odiava conseguir prever as coisas e não ter poder algum para as poder também alterar. saí do lago, sempre sobre o seu riso melodioso. decidi retirar a roupa e as sandálias, ficando somente de biquíni. virei-me para trás e pude perceber que o seu olhar estava preso em mim, ou melhor: no meu corpo.

eu: podias ao menos disfarçar - revirei os olhos e mergulhei.

ele: para quê ? nunca escondi o fascínio que tinha pelo teu corpo - disse-me assim que o meu corpo foi parar à superfície, junto do dele.

eu: és sempre assim directo ? - agarrei em cada fio de cabelo fazendo um puxo sem qualquer acessório, acabando assim por se soltar.

ele: quando quero muito uma coisa sim, não vejo qual a piada de sermos de meias palavras.

eu: e o quê que tu queres ? - mordi o lábio inferior e coloquei os meus braços à volta do seu pescoço.

ele: a sério pimpie ? é preciso mesmo dizer ? - agarrou-me com firmeza na anca.

eu: sim, não és tu que não és de meias palavras ? então anda lá, prova-mo - provoquei-o - bieber, agora quero saber onde é que isto vai.

ele: a ti - mordeu o lábio inferior - é a ti que eu quero, já à bastante.

eu: é ? - foi a minha vez de morder o lábio, numa tentativa de provocação - ainda bem, porque não gosto de não ser correspondida.

agarrei-o pelos cabelos, puxando-o para mim acabando por colar as nossas bocas. mas não, desta vez não iria ser de todo um simples beijo colado. eu queria bem mais. cedi-lhe a passagem para a sua língua, acabando finalmente por a sentir. ele beijava imensamente bem, sabia os movimentos certos a fazer e como me tocar. mesmo não me conhecendo no aspecto de rapariga, ele sabia bem o que fazer para deixar aquele gostinho de quero mais, e neste caso eu queria e bem mais. não queria nunca mais o largar, e não era só a minha mente que o desejava, mas também o meu corpo que apelava o seu toque. acabamos por nos afastar, não havia mais nada que pudéssemos fazer para evitar a falta de ar que naquele momento ambos partilhávamos. não consegui evitar o meu sorriso triunfante pela minha conquista.

ele: és do tipo que segue as regras, adoro - emudeceu o lábio superior com a língua.

eu: o jogo ainda agora começou querido bieber - sorri maliciosa e saí da sua beira, vindo rumo ao acampamento. sendo seguida por ele, segundos depois.

ele: sabes que a probabilidade deste jogo ser ganho por mim é de 99% não sabes ?

eu: até pode ser, mas não te esqueças do que resta. acredita que consigo por o 1% a predominar, não me subestimes nunca - mordi o lábio, nunca deixando de me prender nos seus olhos cor de caramelo.

caminhou até mim, sempre com o seu sorriso vitorioso. acabando de seguida por quebrar a pequena cortina de ar que nos separava, com um puxão. fez-me sorrir instantaneamente, eu estava a adorar caminhar por um terreno bem desconhecido. começou logo um beijo rápido, mas com imensa técnica, fazendo-me arrepiar completamente. agora que tinha provado o seu doce gosto, não me iria arriscar a perde-lo tão cedo.

inclinou o meu corpo, acabando por o pousar no chão, sem nunca me largar. depositou o seu corpo sobre o meu, ele estava a ferver. o seu sangue devia estar a correr a mil à hora dentro dele, assim como o meu. estava em puro êxtase, senti as suas mãos a acariciar-me a perna. o seu toque era mágico, parecia ser mesmo inexistente de tão suave que era. acho que o seu toque era exactamente como a aparência de uma nuvem: suave e totalmente macio. o meu cabelo molhado estava jogado no chão, iria de certa forma me dar imenso trabalho de tratar. eu iria ter que tomar outro banho, graças à grande ideia do justin de me deitar no chão com o corpo molhado, ou seja: as pequenas partículas que se encontravam no chão estavam neste momento a grudar-se no meu corpo, só protegido por um simples biquíni.

afastou a sua boca da minha, deixando-me irritada com esse acto. eý, então ? paraste porquê ? eu estava a gostar ! sem me dar tempo de o questionar sobre isso, colou a sua boca ao meu pescoço. arrepiei-me instantaneamente. enquanto o fazia a sua mão esquerda acariciava-me a perna, acabando por vezes por a apertar, assim como a sua mão direita que se encontrava agora no meu abdómen. deixou os beijos e desceu a cabeça, chegando à minha barriga. sem sequer se preocupar com a minha reacção começou a distribuir beijos pela mesma, fazendo-me perder totalmente os sentidos. óh rapaz cruel ! enquanto me acariciava a perna, a sua língua entrou em contacto com a minha frágil barriga, acabei por vibrar por completo, não conseguia sequer pensar direito, quanto mais reagir. mantinha os olhos fechados e o meus lábios eram constantemente maltratados pelos meus dentes. afastou a sua boca, fazendo-me suspirar. por muito bom que aquilo fosse, estava-me a torturar.

inclinou a sua cabeça olhando-me nos olhos, parecia que me conseguia ver nua - não nesse sentido - tive medo por instantes, não gostava que me conhecessem bem. e o que mais me irritava era quando as pessoas tinham um poder exagerado sobre mim, o que era o seu caso. aproximou a sua boca da minha, beijando-me calmamente. eu poderia-me habituar a isto, ai se podia ... com a mão que estava sobre a minha perna foi subindo, chegando à tira do meu biquíni. agarrei na sua mão, fazendo-o parar o beijo e olhar para mim.

eu: nada disso bieber, não queiras avançar níveis que só terão interesse quando forem jogados um a um - esbocei um sorriso cínico - esta noite vais ficar somente a querer.

ele: isso não é justo - constatou fazendo-me rir.

eu: a primeira regra foi posta por ti, a segunda é posta por mim - passei a língua sobre o meu lábio superior - isto só irá acontecer no momento que eu quiser - sorri nasalmente, vitoriosa - neste momento o comando é meu.

ele: não te esqueças que num jogo tudo pode mudar - sorriu - e posso-te garantir uma coisa.

eu: que é ? - ergui a sobrancelha esquerda.

ele: num momento recusas, noutro desejas - inclinou-se e puxou-me o lábio inferior com os seus dentes.

eu: isso significa ... ? - fiquei confusa.

ele: muito simples pimpie: eu não sou do tipo que vejo um jogo acontecer, sou um jogador nato, e podes acreditar que este verão não acaba sem tu quereres tanto ou mais como eu quero agora, que isso aconteça.

eu: isso é uma ameça ? - ri-me.

ele: não, de todo. é só um aviso de que jogar limpo é só para quem está disposto a perder - apertou-me firmemente a perna, fazendo-me soltar um pequeno gemido.

agarrei-o pelos cabelos e ataquei mais uma vez a sua boca, colocando a sua língua a defender o seu território, ou seja: uma luta entre a minha lingua e a dele, onde só havia um objectivo: perceber quem beijava melhor, e quem continha o maior desejo.

estás a ler:
publicado por p;αndяαde. ॐ às 02:33
| comentar.
78 pintinhos piu:
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 02:49
vou ler agora. *-*
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 02:55
amei, como sempre. por momentos pensei que eles fossem fazer sexo ! o.o
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 03:05
eu pensei nisso tipo "já?!" mas depois fiquei naquela "ah ok, vou ler o resto". óh, a nossa pipinha - ou dianinha, whatever - é logo! sem pormenores.
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 03:23
e também jogaram ao uno. e fizeram um puzzle do noddy! 
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 03:23
acredita, não vale a pena sujares as mãos com aquela puta. monte de merda com pernas.
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 03:27
mata ambos. 
como é que me poderia esquecer? além disso, tens de levar os autocolantes da hello kitty.
De carina soares a 30 de Julho de 2011 às 03:29
não, tem ganda cara de cu!
o sexo nas fics da pipinha é mesmo ao pormenor. aposto que alguém se veio com tantas coisas descritas.
De agnes hope a 30 de Julho de 2011 às 03:36
"não sei se já ouviste falar de depilação ou cremes, mas bem, eu costumo usar" - je love it.
amei (one more time).
De dan a 30 de Julho de 2011 às 03:54
EPÁ , TU GOSTAS DE ME TORTURAR NÃO É ?
eu quero mais , méns ! o justin deixa-me dum estado que nem te digo nada maria :o
De agnes hope a 30 de Julho de 2011 às 11:31
diz-me lá qual é o dia em que eu não gosto! xD

comentar.